Mostrando postagens com marcador Anunnaki. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Anunnaki. Mostrar todas as postagens

15 abril 2017

O 12 Décimo Segundo Planeta (Download)

Nibiru - Decimo segundo Planeta
Os sumérios descreviam nosso sistema solar como um conjunto de 12 corpos celestes significativos. Na linguagem zodiacal, estes astros são todos chamados"planetas", embora, entre eles, os antigos incluíssem a Lua e o Sol. Isso significa que os mesopotâmicos, não somente possuíam um inexplicável conhecimento astronômico; eles também afirmavam a existência de planetas que somente a ciência contemporânea pôde reconhecer, como o longínquo Plutão, hoje destituído de seu status planetário; os miteriosos Urano e Saturno e o até hoje desconhecido porém procurado 12º planeta, este que os sumérios denominavam Nibiru. Ora, se os sumérios, há 6 mil anos, estavam corretos em relação aos nove planetas reconhecidos hoje porque não poderiam estar, igualmente corretos, em relação a Nibiru? Meditemos...

DIREITA: Ut’napishtim, o Noé da Suméria, resgata Gilgamesh do meio dos oceanos durante o Dilúvio provocado pelos Anunnaki.

Há seis mil anos atrás, os Sumérios conheceram um planeta chamado Nibiru. Era o planeta de origem de um povo descrito pelos antigos como "raça de deuses". Os nativos de Nibiru visitaram a Terra no passado influenciando decisivamente a cultura humana. Artefatos e tabuletas cuneiformes de argila e pedra encontradas no Iraque referem-se claramente a um planeta de onde vieram viajantes cósmicos.

A herança deste remotos alienígenas aparece na avançada tecnologia dos sumérios e de outros povos ao redor do mundo. Muitas relíquias não são acessíveis ao público que, assim, desconhece essa face da mitologia mesopotâmica. No caso dos sumérios, sua cultura é a mais antiga do Ocidente. Entretanto, seu sistema matemático e o calendário permanecem atuais.

Aos poucos, a pesquisa sobre Nibiru começa a aparecer, ainda que o planeta seja chamado por outros nomes, como , 12º planeta ou "planeta da cruz" (Planet of the crossing). Os sumérios tinham doze corpos celestes em seu zodíaco, contando o sol e a lua e mais DEZ Planetas que, afirmavam, pertencem ao nosso sistema solar.

Hoje os cientistas estão procurando este planeta misterioso nos confins do espaço; a NASA se empenha nessa pesquisa e os especialistas investigam porque já têm certeza de que o "Planeta X" existe. Observado há milhares de anos passados, Nibiru não é visto nos céus contemporâneos. Isso acontece porque a órbita do 10º planeta (12º astro dos sumérios) é uma elíptica extremamente alongada. Durante milênios, o globo se mantém longe do sol e da vista dos terráqueos, muito além da órbita de Plutão.

Os Sumérios descrevem o Planeta X ou Nibiru, no ponto mais extremo de suatrajetória, distante da Terra aproximadamente 30 milhões de anos-luz. Os viajantes de Nibiru que chegaram à Terra são chamados Anunnaki e foram considerados deuses. A tradição conta que os Anunnaki possuíam "servos" que eram "seres andróides". Não eram seres vivos mas agiam como se fossem.

Zecharia Sitchin

Zecharia Sitchin é lingüista, perito em escrita cuneiforme (suméria) e em muitas outras linguagens antigas. Em 1976, publicou The Tewlfht Planet e assim começou sua trajetória transformadora da pesquisa da história antiga. Em 1993, lançou seu sexto livro, parte da série de Earth Chronicles (Crônicas da Terra) - When Time Began. Este último livro fala das relações entre o complexo calendário de Stonehenge, as ruínas de Tiahuanacu, no Peru, a antiga cultura suméria e, por extensão, a conexão desses monumentos antigos com os Anunnaki. Sitchin defende que os Anunnaki não são uma alegoria ou criação fabulosa dos sumérios; antes, são seres humanóides que habitam o misterioso planeta Nibiru.

nibiru21

A órbita excêntrica, extensa de Nibiru, faz com que o planeta passe milênios totalmente invisível à observação no centro do sistema solar. Zecharia Sitchin acredita que quando a posição de Nibiru é favorável, ciclicamente, os Anunnaki - habitantes de Nibiru - visitam a Terra e interferem no curso da história humana. O ano de Nibiru corresponde a 3 mil e 600 anos terrenos, período regular de intervalo entre as visitas dos Anunnaki.

Sitchin já decifrou mais de dois mil cilindros e fragmentos de cerâmica com inscrições da Mesopotâmia, alguns de 4.000 a.C., que fazem parte do acervo de museus de todo o mundo. Um desses fragmentos, que se encontra na Alemanha, indica que a Terra é o "sétimo planeta", contando a partir de Plutão. Ocorre que Plutão somente foi descoberto pela astronomia moderna no início do século XX. Como os sumérios poderiam saber de tal coisa?

O lingüísta acredita que, na antiguidade, seres extraterrenos conviveram com antigos mesopotâmicos e foram os "instrutores", os deuses da humanidade dos primeiros tempos históricos (pós-advento da escrita). Comparando as mitologias da Criação de diferentes culturas, verifica-se a coincidência dos mitos, que são recorrentes nas referências a uma "colonização" ou instrução das primeiras nações humanas por seres superiores, que vieram do espaço e se encarregam de ensinar aos homens primitivos as "artes" que caracterizam as civilizações.

Sempre buscando a identidade desses "instrutores celestes", Sitchin começou sua jornada pelo mundo das cidades antigas e dos grandes impérios do passado. Uma de suas conclusões mais significativas afirma a existência, em Marte, de uma estrutura alienígena, artificial, de forma piramidal, situada na região denominada Cydonia. Essa pirâmide não é a única; sua distância em relação a outra estrutura semelhante é proporcionalmente idêntica à distância que existe entre a Esfinge e as pirâmides do Egito.

Essas relações entre pirâmides podem significar que elas servem como marcos topográficos para viajantes celestes, como os Annunaki, tanto na Terra quanto em Marte. Sitchin acredita que as pirâmides de Gizé não foram um realização dos egípicios. Em 1993 foi divulgada a descoberta de que a Esfinge é dois mil anos anos antiga do que se pensava, o que reforça a teoria de Sitchin.

O Buraco de Saddam

Polêmico, Sitchin fundamenta suas teorias em rigorosas traduções dos textos sumérios, escrituras Védicas (indianas) e textos originais da Bíblia escritos em hebraico e grego. O local, na Terra, de chegada ou aterrisagem dos Annunaki é uma região chamada Eridu, sul do Iraque. 

A dificuldade de captura de Saddam Hussein decorreu do fato de que seu esconderijo, o "buraco" onde foi encontrado o ditador, é parte de uma pirâmide construída na antigüidade e desconhecida dos arqueólogos que trabalham naquele país.

O Céu do Hemisfério Sul

A NASA localizou uma maciço e negro objeto cósmico nos céus do hemisfério sul, fato que pode justificar a recente reativação de telescópios na Argentina e no Chile. Sitchin, que visitou vários observatórios astronômicos da antigüidade, constatou que todos privilegiam a visão do quadrante sul e também estão localizados na mesma latitude da Terra.

Muitos desses observatórios permitem medir com exatidão o nascer do sol e da lua. É possível que esse notável interesse pelo céu tenha sido motivado pela expectativa de um retorno desses alenígenas que foram, no passado, considerados criadores e instrutores da raça humana.

nibiru Alfabeto cuneforme

A tradução do alfabeto cuneiforme, da Mesopotâmia, para o alfabeto atual, invenção atribuída aos fenícios.

Os Anunnaki


Anunnaki: na língua suméria significa "Aqueles que desceram dos céus"; para os hebreus eram Nefilim, Elohim; em egípcio, Neter. Descobertas arqueológicas e artefatos recolhidos nos últimos duzentos anos são o fundamento da teoria de que uma avançada civilização proveniente de um planeta distante, porém pertencente ao sistema solar do qual a Terra faz parte, chegou ao golfo Pérsico a cerca de 432 mil anos atrás; eram os Anunnaki. Os visitantes estelares colonizaram a Terra com o propósito de obter grandes quantidades de ouro. Sua mão-de-obra foi arrebanhada entre os humanos primitivos, que foram manipulados geneticamente.

Há 250 mil anos, o sistema de colonização alienígena começou a decair; os operários das minas (terráqueos) começaram a se rebelar contra as condições de trabalho e os Anunnaki, então, decidiram criar um ser que pudesse substituir os humanos primitivos. O experimento de engenharia genética teve de ser refeito. Enki, cientista genético e Ninhursag, chefe de medicina, criaram híbridos usando material do homo erectus, de animais e dos próprios Anunnaki. O resultado foi o homo sapiens, que veio ao mundo para ser escravo! Os primeiros homens, sendo híbridos, não se reproduziam. Novos ajustes foram feitos e, assim, a espécie pôde procriar.

Quando os sapiens tornaram-se muito numerosos, parte deles era expulsa das cidades Anunnaki e, assim, gradualmente espalharam-se no planeta. Mas as criaturas surpreenderam os criadores: eram belos e se desenvolviam muito bem. Algumas fêmeas começaram a servir de parceiras sexuais para os colonizadores. Essas uniões eram férteis, produziam prole. Era uma situação inaceitável para a maioria dos Anunnaki que decidiram exterminar a população colonizada - a humanidade - provocando uma colossal inundação em época próxima à reentrada de Nibiru nas proximidades da órbita da terra. Esse dilúvio aconteceu há cerca de 12 mil anos atrás.

Muitos humanos foram salvos por Enki, que simpatizava com aqueles que ele mesmo havia criado. Por milhares de anos, homens e mulheres foram escravos e soldados. Os Anunnaki usavam seus servos nas guerras que travaram entre si, na construção de palácios e cidades, em instalações astronômicas situadas em todos os continentes. Eles ocuparam não somente a Mesopotâmia, mas também o Egito, a Índia, as Américas. Por isso os sinais de sua presença são encontrados em todo o mundo.

Seis mil anos depois do dilúvio, os Anunnaki que aqui permaneceram resolveram que era hora de deixar o planeta e, gradualmente, conduziram a raça humana à independência, introduzindo um sistema sociopolítico fortemente hierarquizado. Linhagens de reis foram estabelecidas, possivelmente considerando a descendência dos Anunnaki: eram os "Iniciados", versados em ciências como matemática e astronomia, conhecedores de técnicas de medicina, arquitetura e engenharia. Dinastias cuja continuidade era feita por meio "colégios" - os "colégios dos mistérios".

A Evidência Astronômica

A prova definitiva da veracidade da tradição suméria seria o reconhecimento científico de um décimo planeta (ou 12º astro) no sistema solar, ou seja, a "descoberta" de Nibiru com tamanho, órbita e outras características descritas nos registros da Mesopotâmia.

Plutão foi descoberto em 1930 e Caronte, sua lua, em 1978. A análise de Plutão mostra que determinadas peculiaridades da órbita deste planeta e também das órbitas de Urano e Netuno somente podem ser explicadas pela existência de um planeta desconhecido que deve ser bem maior que Plutão e mesmo a Terra.

Entre 1983 e 1984, o IRAS - Infrared Astronomical Satellite produziu observações relacionadas a um décimo planeta. Em 1992 novas descobertas foram publicizadas sobre um planeta a mais no sistema, denominado "intruder - "planeta intruso". Os cientistas começaram, então, a confrontar os dados da astronomia com as traduções de Zecharia Sitchin, em especial, a tradução do documento Enuma Elish, que contém a história da formação deste sistema solar. São anais muito antigos que falam de um planeta do tamanho de Urano chamado Tiamat, cuja órbita passa entre Marte e Júpiter.

O grande planeta Nibiru foi capturado pela força gravitacional do sistema solar e sua entrada no conjunto causou anomalias nas luas dos outros planetas. Nibiru colidiu com Tiamat e enormes fragmentos entraram na órbita da Terra. Um desses fragmentos veio a ser a Lua.

O interesse de antigos e contemporâneos por Nibiru decorre de uma questão muito prática. Os relatos arqueológicos são claros: a passagem deste planeta a cada 3 mil e 600 anos nas proximidades da Terra produz efeitos sensíveis na realidade ambiental; catástrofes são desencadeadas. 

A passagem de Nibiru é, possivelmente, a causa da mudança nos pólos da Terra, dos regimes da marés, dos padrões climáticos, dos desvios da órbita e choque com asteróides que são arrastados pelo "intruso". Nibiru pode ter provocado, por exemplo, a extinção da vida em Marte ou o fim da época dos dinossauros.

Misterio de tiamati

A Evidência Tecnológica

Há muito tempo escavações arqueológicas têm trazido à luz artefatos, ferramentas, máquinas e registros que surpreendem, pelo seu avanço, as expectativas dos estudiosos. São objetos inexplicáveis para a ciência histórica acadêmica. No deserto do Iraque foram encontradas baterias de argila com eletrodos datadas em 2 mil e 500 anos antes de Cristo; em uma pirâmide funerária, havia um modelo de aeroplano perfeitamente funcional.

Mais recentemente, a redescobeta de ouro monoatômico em sítios arqueológicos do Oriente Médio veio reforçar a crença em civilizações do passado altamente sofisticadas. As substâncias monoatômicas são supercondutoras de energia em temperatura ambiente e possuem propriedades anti-gravitacionais. Somente nos últimos anos o ouro monoatômico tem sido investigado pela física. Arqueologicamente, entretanto, o ouro monoatômico mesopotâmico é conhecido desde 1889, quando sir Flinders Petrie demonstrou que o material era produzido há 3 mil anos atrás.

A Evidência Documental

O registro histórico documentado da existência e das realizções dos Anunnaki começaram a aparecer desde os primeiros anos do século XIX. A escavação de antigos sítios arqueológicos mesopotâmicos revelaram uma avançada civilização Suméria. Milhares de lâminas de argila contêm escrituras relacionadas não somente com às questões do cotidiano, como o comércio, os casamentos, as ações militares e sistema de cálculos astronômicos; as tábuas cuneiformes também falam dos Anunnaki.

Fica evidente que os sumérios sabiam perfeitamente que aqueles aliens eram criaturas vivas, de "carne e osso". A Biblioteca de Assurbanipal, apesar de ter sofrido um incêndio, não perdeu nada de seus documentos feitos de argila, resistente ao fogo. Assim, foram preservadas 400 tabuletas cuneiformes que contêm a história dos tempos arcaicos, sem falhas; uma espécie de "cápsula do tempo" feita de barro cozido. São estes documentos que contam a saga dos Anunnaki.

A Evidência Genética

Os registros sumérios localizam o laboratório, onde os Anunnaki criaram o homo sapiens na região leste da África Central, próximo às minas de ouro. É uma área que coincide com o lugar onde foi encontrado o mais antigo DNA mitocondrial, pertencente ao fóssil que ficou conhecido como Lucy. Os arqueólogos também encontraram ruínas de minas de ouro de 100 mil anos.

Os documentos descrevem, ainda, os avanços da engenharia genética. O rápido progresso da espécie humana sapiens, que chega a Marte apenas 250 mil anos depois de começar a realmente "sair das cavernas" é notavelmente anômalo diante dos milhões de anos que foram necessários para consolidar os membros mais antigos do nicho dos homo erectus

Fonte: Net
Arranjo: JTC
Continue lendo...

13 abril 2017

NIBIRU X HERCÓLUBUS X NEB'HERU

image

Há muita baboseira na internet e uma enorme confusão dos pseudoespecialistas. Eles falam disso levianamente sem o menor senso de responsabilidade. A NASA e os safados que pensam que ainda controlam alguma coisa, adoram essa confusão feita pelos ignorantes.

Vamos lá, há a embarcação dos anunnaki que parece um planeta mas não é, mas é conhecida como Nibiru. Há Hercólubus, também conhecido como Nêmesis. E também há Neb'heru, que nada tem a ver com o Nibiru.

Os anunnaki, os safados que criaram a matrix e seu líder, Anu, que se colocou como "deus" da humanidade, e ainda é cultuado como tal, pois Anu inventou deus e o diabo, ambos, quando "solicitados" ou citados, remetem a Anu, tanto faz. Eles, especialistas em aprisionar planetas com seus seres, implementaram vários sistemas que hoje vigoram na Terra, e, entre eles, o de inverter tudo que é verdadeiro. Ou seja, eles fizeram a sua embarcação ficar conhecida na Terra como Nibiru, justamente para confundir e descredibilizar Neb'Heru.

A ignorância de muitos que pensam que sabem de tudo, inventaram vários nomes para o que eles chamam Nibiru: planeta X, planeta chupão, Anã Negra e mais outras baboseiras. Em verdade, o planeta chupão corresponde a Nibiru, a embarcação anunnaki. Muitos confundem Hercólubus com Nibiru e eles nada têm a ver. Hercólubus é a estrela gêmea do nosso Sol, ou também conhecido como Mardouk (sumério) ou Nêmesis.

Vamos esclarecer mais sobre cada um:

1- Hercólubus ou Nêmesis, é o duplo do nosso Sol, é esta estrela que chega por detrás de Sagitário e que ejeta os cometas que foram esmagados sobre os planetas do sistema solar exterior. Muitos o chamam de destruidor quando se aproxima de nosso sistema solar, pois os planetas começam a ferver (planeta grelha) devido às tempestades solares (alguém tem sentido muito calor por aí?). E ele realmente destroi muita coisa, ou seja, ele liberta e destroi tudo relacionado à matrix dos anunnaki. Hercólubus já foi avistado em vários lugares do planeta.

2- Nibiru - embarcação anunnaki. Embora Anu, o deus desta humanidade, vivesse numa base em Saturno, mas era de lá que ele controlava não só a Terra, mas todo este sistema solar e mais 80 sistemas solares aprisionados pelos anunnaki. Nibiru tem a fama de planeta chupão porque as religiões e a bosta da bíblia falam em arrebatamento. Mais uma vez, eles inverteram o sentido das coisas e o tal arrebatamento era verdadeiramente um chamado de deus, de Anu. Os "cordeirinhos" arrebatados para Nibiru, sofriam ainda mais por serem explorados por Anu com toda forma de escravidão em Nibiru. Em 21 de dezembro de 2012, realmente o mundo acabou quando foi a data final do fim da matrix, embora os humanos permaneçam os mesmos, pois não sabem que a porta da prisão agora está aberta.
Entre muitas providências tomadas, mais os eventos astronômicos concomitantes que só ocorrem ao final de um ciclo de 52.000 anos dentro de outros ciclos maiores, houve um grande volume de radiações emitidas: de um lado sobre Nibiru e de outro lado, efetivamente, ao nível da nuvem de Oort, lá onde se encontra Hercólubus ou Nêmesis, o que permitiu neutralizar e afastar totalmente a embarcação dos anunnaki. Logo em seguida, as radiações de Betelgeuse depois de se transformar numa supernova, bombardeou e Nibiru foi reenviado à Ursa Maior. O Nibiru, embarcação dos anunnaki, foi a ferramenta usada para criar a prisão deste planeta, fechando a curvatura do espaço tempo com a criação de três camadas isolantes (campos magnéticos), conhecidas invertidamente como três camadas protetoras, que a ciência humana nomeia: heliosfera, ionosfera e magnetosfera. Hoje, o Nibiru dos anunnaki, devido às citadas radiações, foi afastado para os confins da Ursa Maior, região de origem dos anunnaki, agora sem o menor controle sobre este sistema solar.

3 - Neb'Heru, também conhecido como Yeroushalaïm Celeste (Jerusalém Celeste), que é a Embarcação dos grandes Elohim que se sacrificaram sobre essa Terra (descritos nos primeiros capítulos do livro), que retorna e que havia sido anunciada, no passado, visível em seu céu porque ela chegou no seu sistema solar. Eles, aqueles que coordenavam a criação semeada na superfície da Terra, depois de tomadas e violada pelos anunnaki na armação da famosa "Queda de Lúcifer" (trecho do livro), tomada e aprisionamento da humanidade, prometeram voltar e já estão bem às portas do nosso sistema solar. Bem às portas e bem estacionados próximos ao sol. Há muitos vídeos pela internet que promovem muita confusão com Hercólubus, que também se aproxima.

Então, para encerrar, tudo o que eu disse têm registros. Os "governos" sabem e adoram quando os otários fazem uma grande confusão e promovem a DESINFORMAÇÃO.

Um toque:

"e já estão bem às portas do nosso sistema solar"

FONTE:

Marcos Dos Santos Araújo
Continue lendo...

12 abril 2017

NIBIRU O ASTRO DA DESTRUIÇÃO SE APROXIMA, O MUNDO IGNORA, OS GOVERNOS OCULTAM A VERDADE


O GOVERNO AMERICANO ESTÁ SENDO PRESSIONADO POR UMA COMISSÃO PARA REVELAR A NAÇÃO, QUE A ESTRELA DA MORTE, O NIBIRU AVANÇA PARA DESTRUI A TERRA. SERÁ VERDADE? VEJA O VÍDEO E TIRE AS SUAS CONCLUSÕES.

nibiru 01
Continue lendo...

10 abril 2017

O Planeta 9 (Nibiru) está inclinando o Sol e o Sistema Solar

wpubb73n

Essa história é um tanto curioso diante do que tivemos revelado recentemente em 2015, sobre a ocultação e liberação da tarja preta no Googgle Sky, que escondia a vinda do que possivelmente pode ser Nibiru.

Vejam: Confirmado, Nibiru vindo em direção da terra, a NASA mentiu esse tempo todo !

A elite jamais vai assumir ou falar a verdade, por causa dos fatos aterradores que estão envovidos sobre o mito em cima do nome “nibiru ou planeta X”. Levando em conta que os ciêntistas geralmente vão também catalogar suas descobertas diantedaquilo que possuem hoje.

Planeta nono ou Décimo Segundo ?

Bunkers sendo construidos em todos mundo, o campo da FEMA com seus milhares de caixões, o aquecimento global, mudanças dos pólos ocorrendo de forma lenta, alagações de grande áreas costeiras, degelo do polos, e muitas outas, que são consequências de algo anormal em complexo que está perto de ocorrer.

É claro que a elite deve ter um plano de evacuação pacífica que envolve a encobertação, para evitarem o caus e histeria coletiva, que pode ser algo extremamente perigoso para suas seguranças.

Muitas caracteristicas deste planeta descoberto se encaixam perfeitamente com as descrições de Nibiru, que segundodescrições metafícas pode está sua chegar em 2025 e adiante.

orbita-Planeta-9-nibiru

Segundo as descrições que temos dos sumerios, repassado a eles por seus deuses extraterrenos, os ANUNNAKI, são 12 planetas no nosso sistema solar, que segundo as tradições e mitos foram simbolizadas de diversas formas em diversas culturas, com o uso do número 12, como no caso de nosso calendário e diversos símbolos religiosos.

planetas-nosso-sistema-solar

Segundo a descrição deles, como podemos ver acima, contando com a LUA e NETUNO e o SOL, são 12, o número de planetas. Segundo nossa ciência oficial, Número de planetas conhecidos são catalogados apenas 8. Mercúrio, Vênus, Terra, Marte,Júpiter, Saturno, Urano, Netuno, sem PLUTÃO que foi rebaixado seu estatus oficial de planeta.

Então segundo essa conta, tal planeta para lá de Netuno, só pode ser o 12º segundo, de acordo com catalogo sumério e o segundo a ciência oficial. A ciência oficial agora estão tentanto mudar isso e de acordo com algumas informações, até o asteróide Ceres e o objeto "2003 UB313", conhecido como Xena, também passariam a ser chamados de planetas.

evidencias-planeta-nove

Os astrônomos do Instituto de Tecnologia da Califórnia encontraram novas evidências de um gigantesco planeta gelado espreita na escuridão de nosso sistema solar muito além da órbita de Plutão. Eles estão chamando-o de "Planeta Nove".

Estima a massa do planeta como cinco a 10 vezes a da Terra. Mas os autores, os astrônomos Michael Brown e Konstantin Batygin, não observaram o planeta diretamente.

Recentemente estes mesmo cientistas afirmaram na mídia, que o tal hipotético Planet 9 está inclinando o sol e o sistema solar.

teoria-planeta-9

 

 

 

 

 

 

 

 

 

De acordo com o artigo intitulado O nono planeta pode ser o responsável pela inclinação do Sol :

"O astrónomo Michael Brown de Michael e o astrofísico teórico Konstantin Batygin encontraram evidências de um possível planeta de massa 10 vezes maior que a Terra, pode estar inclinando planetas anões de longa órbita em seus lados e pastoreá-los em aglomerados longe da órbita de Netuno em órbitas altamente excêntricas. Nos últimos meses, mais e mais artigos foram publicados sobre o possível planeta e como isso pode ser uma explicação para outras coisas estranhas acontecendo em nosso sistema solar ".

NBC correu uma história um pouco diferente, mas Alyssa Newcomb chegou à mesma conclusão: "Pode estar inclinando nosso sistema solar"

Newcomb continuou:

"A razão para o ângulo torto do sol nunca foi explicada. Mas os nerds do espaço têm enamorados com a idéia de um Nono Planeta e o fato que poderia explicar algumas das outras curiosidades do sistema solar, como por que o sol parece ser inclinado.”

orbita-planeta-9

Não, os cientistas da Caltech Michael Brown e Konstantin Batygin, dão certeza que Planet 9 não estão inclinando o sol. Embora eu aprecie o seu reconhecimento da existência de um planeta 10 vezes maior do que a Terra para lá no Cinturão de Kuiper, “estou profundamente inclinado a rejeitar a noção de que o Planeta 9 é responsável por inclinar o sol”.

O grau de inclinação no plano elíptico do sistema solar é um fato curioso. O livro de Urântia parece ter uma resposta para tudo, desde a história do universo até o nascimento, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

O livro de Urântia

livro-de-Urântia

Vou compartilhar com vocês a história dada no Livro de Urântia:

"5.000.000.000 anos há seu sol era um orb ardente comparativamente isolado, tendo recolhido a si mesmo a maioria da matéria circular circulando do espaço, remanescentes da agitação recente que assistiu a seu próprio nascimento.

"Hoje, seu sol alcançou estabilidade relativa, mas seus ciclos de manchas solares de onze anos e meio traem que era uma estrela variável em sua juventude. Nos primeiros dias de seu sol, a contração contínua eo conseqüente aumento gradual da temperatura iniciaram tremendas convulsões em sua superfície. Estes titanic heaves necessários três dias e meio para completar um ciclo de brilho variável. Este estado variável, esta pulsação periódica, tornou o seu sol altamente responsivo a certas influências externas que seriam brevemente encontradas.

Eu vou compartilhar um pouco mais da história do sistema solar de O Livro de Urântia/a>:

* Conclusão do nascimento do sistema solar.

cinturao-kuiper-planeta-9-nibiru

"À medida que o sistema Angona se aproximava, as extrusões solares cresciam cada vez maiores; Mais e mais matéria foi tirada do sol para se tornar corpos circulantes independentes no espaço circundante. Esta situação desenvolveu-se por cerca de quinhentos mil anos até que Angona fez sua aproximação mais próxima ao sol; Com que o sol, em conjunto com uma de suas convulsões internas periódicas, experimentou uma interrupção parcial; De lados opostos e simultaneamente, enormes volumes de matéria foram despejados. Do lado Angona, havia uma vasta coluna de gases solares, bastante apontada em ambas as extremidades e marcadamente abaulamento no centro, que se tornou permanentemente desligado do controle gravitacional imediato do sol.

"Esta grande coluna de gases solares que foi assim separada do sol subseqüentemente evoluiu para os doze planetas do sistema solar. A ejeção repercussiva do gás do lado oposto do Sol na simpatia das marés com a extrusão deste gigantesco antepassado do sistema solar, desde então se condensou nos meteoros e poeira espacial do sistema solar, embora muito, muito, desta questão foi posteriormente Recapturado pela gravidade solar como o sistema de Angona receded no espaço remoto. "- l" U57_5_6 "(656.2) 57: 5.6

* Formação dos doze planetas do sistema solar.

"Os cinco planetas interiores e os cinco planetas exteriores logo se formaram em miniatura a partir dos núcleos de resfriamento e condensação nas extremidades menos maciças e afiladas da protuberância de gravidade gigantesca que Angona tinha conseguido desprender do sol, enquanto Saturno e Júpiter foram formados a partir do mais maciço E porções centrais abaulamento. A poderosa força de gravidade de Júpiter e Saturno capturou cedo a maior parte do material roubado de Angona, como o movimento retrógrado de alguns de seus satélites é testemunha. "(656.5) 57: 5.9

* Origem e evolução de Júpiter e Saturno.

"Júpiter e Saturno, sendo derivados do próprio centro da enorme coluna de gases solares superaquecidos, continham tanto material de sol altamente aquecido que brilham com uma luz brilhante e emitem enormes volumes de calor; Eles eram, na realidade, sóis secundários por um curto período após sua formação como corpos espaciais separados. Esses dois maiores planetas do sistema solar permaneceram em grande parte gasosos até hoje, e ainda não se haviam esfriado até o ponto de condensação ou solidificação completa.” (656.6) 57: 5.10))

wp5tk4wt

Colisões posteriormente reduziu o número de planetas para 10, mas você pode que são 12 nas imagens cuneiformes sumérios. Más resumindo. Se for para eu acreditar em suposições de cientistas com suposições e sem provas, prefiro é claro, sem provas, más nas suposições religiosas e metafísicas.

Notas: Valter J.Amorim (Aquárius 2036)

Fonte: http://planetxnews.com/

Continue lendo...

06 abril 2017

O Retorno De Nibiru, Entre Ciência E Mitologia

NIBIRU ESTA CHEGANDO 01
A existência de um corpo celeste nono - depois de desclassificação em 2006 de Plutão a planeta anão - que pertence ao sistema solar é uma teoria não confirmada, ainda está fazendo discutida por muitos anos. O primeiro a assumir a presença de Nibiru, um grande planeta dez vezes a da Terra e muito mais longe do que Netuno, foi o escritor americano azerbaijano-nascido, Zecharia Sitchin. Que morreu em 2010 na idade madura de noventa, Sitchin tinha acendido a imaginação dos antigos mitos e fãs de ficção científica. Em seu livro "The Twelfth Planet - a verdadeira origem do homem", publicado pela primeira vez em 1976, o autor falou de vestígios encontrados na sumeriana e babilônica mitologia sobre Nibiru ea descida na superfície dos seus habitantes da Terra, chamado Anunnaki das antigas civilizações do Tigre e do Eufrates - em hebraico Nepilim, os "gigantes" mencionados na Bíblia (Gênesis, capítulo 6, versículo 4). Até agora, a comunidade científica tinha negado por unanimidade a reivindicações Sitchin já que não tinha havido nenhuma prova ou evidência sobre a possibilidade de um corpo celeste em órbita os confins do sistema solar: debate recentemente, a divulgação de novos estudos reacendeu no planeta desconhecido, muitas vezes chamado de Planeta X.

Um planeta distante no sistema solar: as teorias científicas

Michael Brown e Konstantin Batygin, pesquisadores da Califórnia Institute of Technology (Caltech), através de simulações computacionais e modelagem matemática, detectaram a presença de um planeta gigante na borda do sistema solar, envolto em trevas, porque muito longe de refletir a luz da nossa estrela e, consequentemente, dificilmente visível. Seus cálculos, que são considerados cientificamente fundamentadas e publicadas em janeiro sull'Astronomical Jornal 1 , mostram a influência de uma força gravitacional dominante de seis corpos celestes menores que estão alinhados no cinturão de Kuiper da região, além da órbita de Netuno . De acordo com os dados, a massa do planeta que se move lentamente ao longo de uma órbita elíptica é pelo menos dez vezes maior do que a da Terra. Encontrando-se a uma distância do Sol igual a 200-1000 unidades astronômicas (UA), ou vinte vezes mais longe do que Netuno, para realizar o movimento de revolução em torno do Sol do planeta Nona seria necessário um período de entre 10 mil e 20 mil anos. Além disso, a sua existência -, além de unir o sistema solar com a forma de sistemas planetários observadas por astrônomos - poderia explicar a órbita misteriosa rastreada por dois objetos no Kuiper: banda Sedna, descoberto por Brown em 2003, e seu gosto - descoberto por Chad Trujillo e Scott Sheppard em 2014 - chamado 2012 VP113. Verificou-se, em ambos, um comportamento gravitacional anômala do que os outros corpos na mesma região. A simulação também previu a presença de um grupo de objetos que traçam órbitas perpendiculares do que Netuno e o suposto planeta Nono - encontrar uma correspondência posterior das observações astronômicas 2 efectuadas durante os últimos três anos. Apesar da fiabilidade do estudo de Brown e Batygin, você pode falar sobre uma descoberta real somente quando e se será possível para os cientistas para dirigir um achado do corpo celeste. No momento, não está ciente da posição exata ao longo de sua trajetória elíptica: se ele estivesse no ponto mais distante em sua órbita, seria necessário para visualizar o gêmeo Keck telescópios refletores e o telescópio japonês Subaru localizados no cume do vulcão Mauna Kea, no Havaí.
planeta nino

Os seis objetos conhecidos mais distantes no sistema solar: mentir além de Netuno, e suas órbitas estão alinhados misteriosamente. Batygin e Brown mostrar como ela é necessária a presença de um planeta com massa dez vezes maior do que a terra para obter esta configuração. Gráfico criado com o WorldWide Telescope. Caltech, R.Hurt (Ipac).

Há também uma outra hipótese da existência de um corpo celeste misteriosa na periferia remotas do sistema solar.Astrofísico Daniel Whitmire e professor de matemática da Universidade de Arkansas, em um estudo publicado em novembro de 2015, com as Monthly Notices da Royal Astronomical Society 3 - Jornal autoritário Astronomia e Astrofísica - propõe a teoria de um gigante de gás vermelha chamada Tyche (ou o Planeta X), localizado na nuvem de Oort, uma região distante do sistema solar com uma alta concentração de cometas e que faz parte do cinturão de Kuiper. A teoria, formulada originalmente em 1985 e publicado na revista Nature por Whitmire, juntamente com o colega John Matese, foi delineada em relação ao extinções em massa periódicas que, com base no registro fóssil, são causados ​​por uma chuva de cometas sobre a Terra a cada 27 milhões anos. É a hipótese actualmente em curso, após a existência de um gêmeo da estrela Sun e oscilações solares durante sua órbita ao redor da galáxia foram descartados como possíveis causas das extinções repetidos em grande escala. De acordo com Whitmire, cometas seriam jogados no sistema solar durante a passagem do Planeta X no cinturão de Kuiper, em parte desintegrando antes do impacto sobre o solo da Terra, e em parte perto do Sol - obscurecendo o brilho. Ao contrário dos pesquisadores da Caltech, a distância Tyche estimada a partir Matese e Whitmire é consideravelmente maior. No entanto, o mistério permanece, como o que está presente ou não na nuvem Oort. Os objetos que fazem parte dela nunca foram vistos, e isso também é apenas uma hipótese, embora aceite pela maioria dos cientistas: o seu raio seria tão vasto como ser igual a um ano-luz.

O papel da NASA

Recentemente, John Matese e Daniel Whitmire disse que se Tyche existiu, seus traços poderia ser encontrado no arquivo de dados - mais de 2,7 milhão de imagens - recolhidos a partir do telescópio espacial infravermelho Wide-field Infrared Survey Explorer (WISE) NASA. A ferramenta está disponível entre 2009-11 e ativado novamente em 2013, ele fez uma primeira varredura bandas de infravermelho incluindo as áreas onde você deve encontrar Tyche, bem como uma análise posterior após um intervalo de seis meses: 07 de março de 2014 , a agência espacial dos EUA informou que WISE excluídos tanto a possibilidade de um objeto do tamanho de Saturno localizado a 10.000 UA, é um objeto de magnitude maior ou igual a Júpiter a 26.000 UA distância. No entanto, durante o segundo exame de nossos subúrbios cósmicos, WISE identificou "sistemas estelares que tinham permanecido oculto durante o intervalo da coleta de dados do telescópio espacial vizinho", disse o professor Ned Wright, da Universidade da Califórnia. É milhares de anãs marrons encontrados dentro de 500 anos-luz do Sol e totalmente negligenciada anteriormente, admitiu o astrônomo Davy Kirkpatrick Centro de Processamento de Análise de infravermelho no Caltech, em Pasadena. Entre outras coisas, descobriu-se um par de anãs marrons é de 6,5 anos-luz de distância, que é o sistema estelar mais próximo encontrados no século passado. Por esta razão, de acordo com a NASA, ainda existem muitas estrelas para ser descoberto por WISE.

Os sumérios e mitologia

A origem dos povos sumérios ainda é um mistério: não está claro de onde vieram antes de chegar à Mesopotâmia inferior, quer a partir do Golfo Pérsico e do Cáucaso, ou do Oriente. Até mesmo a linguagem acadiana parece não ter afinidade particular com um grupo específico de linguagem. Comumente, as escavações trouxeram à luz da antiga cidade de Uruk - mencionado na Bíblia pelo nome de Erech, corresponde a Warka sítio arqueológico de hoje - acredita-se que a civilização suméria floresceu por volta de 3000 aC, como evidenciado pela restos de edifícios religiosos, obras de arte, mosaicos e placas de argila gravadas com a escrita cuneiforme. O sumeriana Pantheon foi construído na principal tríade de deuses An (a divindade suprema), Enki (o deus da sabedoria que viveu nas profundezas do abismo) e Enlil, bem como muitas divindades menores, masculino e feminino. A criação do cosmos, dividido em três níveis (ar, atmosfera e regiões subterrâneas da terra) foi atribuída aos deuses, que haviam organizado o mundo do caos primordial, criou o homem para estar ao seu serviço exclusivo, ajustando o destino e atividades terrenas. mitologias antigas de narrar a criação de Marduk, o deus da Babel, como o criador da origem divina do Anunnaki, e o mundo dos homens: é o mito mais importante da cosmogonia suméria. Como para Nibiru, corpo celeste associado ao deus Marduk, algumas traduções dar o significado de "Estrela Polar", outros irão identificar o aspecto com Júpiter. Interpretação dos Zecharia Sitchin, Nibiru em vez disso é um planeta gigante desconhecido para nós que os astrônomos de todo o mundo ainda estão procurando.
veja também:

ANUNNAKI O RETORNO AO PLANETA TERRA 2017

Continue lendo...

Mais Populares

 
Copyright © 2016 ORIGINAIS OADM • All Rights Reserved.
Template Design by ORIGINAIS OADM • Powered by Blogger
back to top