Mostrando postagens com marcador Saúde. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Saúde. Mostrar todas as postagens

17 abril 2017

PSICOPATA OU SOCIOPATA - QUAL A DIFERENÇA? SAIBA!



Nenhuma, pois os dois termos são sinônimos para um tipo específico de transtorno de personalidade. De acordo com a Classificação Internacional de Doenças (CID-10), o termo oficial para designar um psicopata ou sociopata é personalidade dissocial ou antissocial. 

psicopata e sociopata
"A psicopatia é um termo muito confuso historicamente, sendo que, hoje, se refere a apenas um dos oito transtornos de personalidade existentes", diz o psiquiatra forense Daniel Martins de Barros, do Hospital das Clínicas, em São Paulo. 

Ou seja, a associação que, em geral, fazemos do termo psicopata com um assassino frio, como um serial killer, não passa de mau uso do termo. Veja a seguir quais são os oito distúrbios de personalidade - como são chamados alguns dos tipos de distúrbio mental - que podem afligir alguém. >:/
  • Segundo os especialistas, até 3% da população mundial é composta de psicopatas, sendo que eles reincidem na criminalidade três vezes mais que bandidos comuns
PERSONALIDADES ATRAPALHADAS 

Conheça os oito transtornos de personalidade descritos pela medicina e personagens da ficção que sofreriam desses distúrbios

ANTISSOCIAL

Alguém com um personalidade do tipo dissocial ou antissocial - o famoso psicopata ou sociopata - tem tendência à agressividade e repúdio às normas sociais. Em geral, o cara não muda seu modo de agir facilmente, mesmo após ser punido. Além disso, não tolera frustração e costuma botar a culpa nos outros pelas coisas que faz

- Dexter, da série de TV americana de mesmo nome, é um policial justiceiro que, além de solucionar crimes pelas vias legais, ocupa o tempo livre matando criminosos que escaparam da lei

ANSIOSO
Imagine uma pessoa bem tensa e insegura, que parece estar sempre com medo de tudo. Essa é a personalidade do ansioso, pautada por um sentimento de apreensão, insegurança e inferioridade. A pessoa é supersensível a críticas e faz tudo para ser aceita. Tem dificuldade em se relacionar intimamente e evita atividades fora de sua rotina
- Scooby-Doo, o famoso cão dos desenhos, tem medo da própria sombra e não pode nem ouvir falar em fantasmas, tremendo só de pensar nas assombrações. Para piorar, ele ainda se acha um baita covardão

PARANOIDE

Sabe aquela pessoa que não suporta ser contrariada, não perdoa insultos, desconfia de tudo e tende a distorcer os fatos, interpretando as ações dos outros, mesmo que sejam boas ou inocentes, como hostis ou de desprezo? Esse é o típico paranoide. Em geral, também suspeita da fidelidade de seus companheiros. Mas não confunda com a paranoia, que é uma doença grave e não um tipo de distúrbio de personalidade

- Na obra Dom Casmurro, de Machado de Assis, Bentinho é casado com a doce Capitu, mas, após a morte do melhor amigo, se atormenta com a ideia de que havia sido chifrado pela esposa e o falecido

DEPENDENTE

O tipo dependente tende a deixar que outras pessoas tomem qualquer decisão por ele. O cara tem medo de ser abandonado e se vê como uma pessoa fraca e incompetente. Além disso, é submisso à vontade alheia e tem dificuldade em lidar com mudanças ou novos desafios
- No desenho animado Pinky e o Cérebro, Pinky é um ratinho infantil, que vive submisso a Cérebro, um ratocientista que bola planos mirabolantes para dominar o mundo

HISTRIÔNICO

Também chamado de histérico ou psicoinfantil, este tipo quer ser sempre o centro das atenções. Tende a ser extremamente dramático, exibicionista e exigente. Para piorar, é inconstante sentimentalmente, instável, manipulador, egoísta e bastante superficial

- A personagem central do filme E o Vento Levou, Scarlet O'hara - vivida pela atriz Vivien Leigh, em 1939 -, é egoísta, mimada, quer ser o centro das atenções, e faz de tudo para ter o que quer

ESQUIZOIDE

Alguém com esse transtorno costuma ficar mais afastado dos outros, tendo poucos contatos sociais ou afetivos. Ele prefere atividades solitárias e a introspecção. Mas, assim como no caso da paranoia e da personalidade paranoide, o tipo esquizoide não tem nada a ver com a esquizofrenia
Rancoroso e vivendo isolado, Gollum, de O Senhor dos Anéis, se encaixa direitinho no diagnóstico de esquizoide. Sua análise psiquiátrica chegou até a ser feita pela Real Universidade Médica de Londres


Agir de modo imprevisível, ter acessos de ira e ser incapaz de controlar o seu comportamento impulsivo são as características da galera com esse transtorno. O borderline também pode apresentar perturbações da autoimagem e tendência a adotar um comportamento autodestrutivo
- Heloísa, personagem da novela Mulheres Apaixonadas interpretada por Giulia Gam, tinha um ciúme doentio do marido, protagonizando várias cenas de descontrole explícito

OBSESSIVO-COMPULSIVO

Você provavelmente conhece um cara assim, que quer sempre tudo certinho, sendo perfeccionista ao extremo. Esse é o típico anancástico ou obsessivo-compulsivo. Em geral, é obstinado em fazer as coisas como acha que devem ser feitas, sem nenhuma flexibilidade. Essas características podem vir acompanhadas de impulsos repetitivos, mas não atinge a gravidade de um transtorno obsessivo-compulsivo (TOC)
- Vivido por Marco Nanini, Lineu, o paizão da série A Grande Família, é um fiscal sanitário politicamente correto, honesto e muito certinho. Gosta de tudo em seu devido lugar e ai de quem quebrar a rotina

PSICOPATÔMETRO

Especialistas usam teste específico para identificar psicopatas
Você está desconfiado de que aquele colega de escola maldoso ou seu irmãozinho destruidor de brinquedos possa ser um psicopata? Pois existe um teste para descobrir isso: é a chamada Escala Hare PCL-R. Criada pelo psicólogo canadense Robert Hare, em 1991, trata-se de um checklist de 20 itens, que englobam as principais características de um psicopata, como tendência a mentir e falta de culpa ou remorso. A avaliação, que só pode ser feita por psicólogos ou psiquiatras, também considera o histórico familiar e pessoal. De acordo com os especialistas, o teste é uma grande arma contra a criminalidade, pois pode revelar, por exemplo, se um bandido tende a continuar praticando crimes ou se foi só um vacilo isolado.

CONSULTORIA DANIEL MARTINS DE BARROS, PSIQUIATRA FORENSE DO INSTITUTO DE PSIQUIATRIA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS, EM SÃO PAULO; HILDA CLOTILDE PENTEADO MORANA, PSIQUIATRA FORENSE E FUNDADORA DO AMBULATÓRIO DE TRANSTORNO DA PERSONALIDADE DO INSTITUTO DE PSIQUIATRIA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS, EM SÃO PAULO; MIRIANE TOLEDO, PSICÓLOGA E PSICANALISTA
Continue lendo...

10 abril 2017

Depressão - Principais Sintomas

Brasil é o país mais depressivo da América Latina, diz OMS

Depressão - Principais Sintomas - O que é depressão - (Psicóloga Priscila Silveira).
O diagnóstico de episódio depressivo requer a presença de pelo menos cinco dos sintomas abaixo, por um período de, no mínimo, duas semanas, sendo que um dos sintomas característicos é humor triste ou diminuição do interesse ou prazer, além de:
- marcante perda de interesse ou prazer em atividades que normalmente são agradáveis;
- diminuição ou aumento do apetite com perda ou ganho de peso (5% ou mais do peso corporal, no último mês);
- Insônia ou hipersonia;
- Agitação ou retardo psicomotor;
- Fadiga ou perda da energia;
- Sentimentos de desesperança, culpa excessiva ou inadequada;
- Diminuição da capacidade de pensar e de se concentrar ou indecisão;
- Pensamentos recorrentes de morte (sem ser apenas medo de morrer), ideação suicida recorrente sem um plano específico ou uma tentativa de suicídio ou um plano específico de suicídio.
O episódio depressivo pode ser classificado como leve, moderado ou grave.
Para saber sobre o atendimento psicológico online, via Skype, entre em contato comigo através de meu site http://www.psicologapriscila.com.br ou envie um email para psi.silveira@gmail.com ou contato@psicologapriscila.com.br.
Acesse minha FanPage: hhttp://www.facebook.com/psicologapris...
Continue lendo...

Alerta: Se você tem o hábito de colocar seu cão/gato no sofá e cama, sua saúde está em perigo. Saiba por quê.

image

ALERTA !!!!

Esse post é um alerta e uma prestação de serviço.
Nós amamos nossos animais de estimação.
Mas não devemos deixá-los no nosso sofá ou na nossa cama.
Isso representa uma ameaça à nossa saúde.

Veja o que ocorre…

Cães e gatos carregam pulgas, carrapatos e outros parasitas.
Mesmo quando tratados adequadamente, esses animais podem transmitir doenças, inclusive problemas alérgicos.
Razão pela qual deixá-los no sofá ou na cama não é uma boa ideia.
Quem corre mais riscos são as crianças, os idosos e as pessoas com imunidade baixa.
E este é o motivo pelo qual os proprietários de animais de estimação devem ter certos cuidados.
Beijar na boca é outro erro.
Mas muitos, por motivos sentimentais, não querem nem cogitar parar com essa prática.
E infelizmente não são raros os problemas de saúde provocados pelo contato impróprio com cães e gatos.

De quem é a culpa?

Dos nossos animais?

De maneira alguma!
Só para você ter uma ideia, pesquisa mostrou que cerca de 60% dos donos de cães e gatos nos Estados Unidos dormem com seus animais de estimação diariamente.
Claro que esta tendência não está associada apenas com os americanos.
O mesmo deve ocorrer no Brasil, em Portugal, no Japão, na Argentina, em Angola, no Canadá…
Por outras palavras, esta é uma prática comum em todo o mundo.
Então, se você cria um animal de estimação, observe estes cuidados: não o coloque no sofá, na cama, não durma com ele, não beije a boca dele.
Especialmente devem seguir esses conselhos as crianças, os idosos, os doentes e os que estão com a imunidade baixa.
Você não deve parar de cuidar e amar o seu cão/gato.
Mas apenas ter os (poucos) cuidados para não pôr em risco a sua saúde e a de sua família.
Continue lendo...

09 abril 2017

Alho com limão: Um remédio extraordinário que dispensa medicamentos da industria farmacêutica!

Quando atingimos uma certa idade, a nossa saúde começa a ficar cada vez mais debilitada, e é normal começarmos a sofrer de problemas de saúde, como problemas cardiovasculares, e é recomendado seguir sempre tratamento médico para tratar esse tipo de patologia.

Alho com limão

 

Por isso neste artigo vamos demonstrar-te como o alho e limão podem ajudar-te muito a teres uma saúde de ferro, pois são dois alimentos medicinais usados para muitas doenças graças a suas incríveis propriedades.
 

 
Benefícios
 

 
Se seguirmos este tratamento tal como o indicamos neste artigo poderemos obter os seguintes benefícios para a saúde:
 

 
Elimina os depósitos de gorduras acumulados no corpo.
 

 
Ajuda a diminuir o colesterol ruim (LDL) e aumenta o colesterol bom (HDL).
 

 
Diminui os triglicéridos no sangue.
 

 
Ajuda a prevenir a formação de trombos.
 

 
Diminui a pressão arterial.
 

 
Melhora o funcionamento do fígado e potencia sua função depurativa.
 

 
Melhora o funcionamento dos rins, portanto ajuda a combater a retenção de líquidos.
 

 
Melhora os problemas de circulação.
 

 
Melhora o sistema imunológico e nos ajuda a aumentar as defesas.
 

 
Previne a aparição de tumores.
 

 
É altamente antioxidante, o que renova e rejuvenesce as nossas células.
 

 
Para quem é recomendado?
 

 
É recomendado para a saúde em geral, para prevenir problemas de saúde ou simplesmente para limpar o nosso corpo uma vez ao ano. Porém destacamos especialmente os seus benefícios para combater as seguintes doenças:
 

 
Sobrepeso
 

 
Isquemia
 

 
Sinusite
 

 
Doenças pulmonares
 

 
Dor de cabeça
 

 
Trombose cerebral
 

 
Artrite
 

 
Artrose
 

 
Reumatismo
 

 
Gastrite
 

 
Hemorroida
 

 
Problemas oculares
 

 
Problemas auditivos
 

 
Arteriosclerose
 

 
Anemia
 

 
O que precisamos?

 
 
Ingredientes:

 
 
4 limões
 

 
4 cabeças de alho
 

 
3 litros de água fervida
 

 
Será melhor usarmos ingredientes orgânicos, principalmente o limão, pois podem conter ceras e pesticidas que seriam prejudiciais para fazer este remédio. A raspa dos cítricos é ainda mais benéfica do que a polpa.
 

 
Como preparar?
 

 
Descascamos o alho e cortamos os dentes pela metade.
 

 
Lavamos bem os limões e os cortamos em pedaços pequenos, sem tirar a casca.
 

 
Acrescentamos a água morna, previamente fervida, e batemos (trituramos) tudo muito bem.
 

 
Dividiremos esta mistura em três frascos de vidro, os quais terminaremos de encher com a água morna.
 

 
Fecharemos bem e os guardaremos no frigorifico durante três dias.
 

 
Depois desse tempo, coaremos o conteúdo dos três frascos e voltaremos a guardá-los no frigorifico.
 

 
Como consumi-lo?
 

 
Nos primeiros dias tomaremos uma colher de sopa deste remédio meia hora antes de cada uma das três refeições do dia.
 

 
Se o nosso corpo reagir bem, sem efeitos colaterais, aumentaremos para duas colheres de sopa deste remédio meia hora antes de cada uma das três refeições do dia.
 

 
Gradualmente iremos aumentando as doses até chegar a um máximo de 50 ml deste remédio três vezes por dia, quer dizer, 150 ml por dia.
 

 
O tratamento dura 40 dias e podemos realizá-lo uma vez ao ano.
 

 
É importante destacar que em qualquer tratamento depurativo, os primeiros dias podemos notar que alguns sintomas pioram (mucosidade, dor de cabeça, etc). Isso costuma ser normal, já que o nosso organismo está a começar a movimentar-se e a eliminar toxinas.
 

 
Outros remédios similares para o colesterol
 

 
Tanto o alho como o limão são dois alimentos muito usados nas curas depurativas, além de fazer este tratamento que propomos também temos outras opções mais leves ou complementares para ingerir habitualmente estes alimentos.
 

 
Podemos consumir o limão de muitas formas ao longo do dia, para potenciar algum dos benefícios, como as suas ações alcalizante, laxante, depurativa ou para assimilar melhor os nutrientes dos alimentos.
 

 
O alho é a base da famosa e antiga cura tibetana do alho, cuja receita é parecida à anterior, porém marinada no álcool ao invés do limão e só pode ser feita a cada cinco anos seguindo rigorosamente as doses, como explicamos neste artigo.
Continue lendo...

Quimioterapia dá dinheiro e mata mais que o câncer: Médica quebra o silêncio e revela a dura verdade

Se te assustaste com o título, certamente vais ficar ainda mais impressionado com o relato que se segue deste profissional de saúde. O momento é propício para a reflexão, sem generalizar ou tentar procurar respostas fáceis, sobre uma verdadeira máfia da doença.

Médica quebra o silêncio e revela a dura verdade

A intenção é fazer você reflectir. Esta é a verdade do sistema farmacêutico, onde profissionais ganham comissões, viagens, jantares e congressos, tudo para que simplesmente prescrevam medicamentos à população. Sem dúvida alguma esta é uma das reportagens mais assustadoras que verá em termos de saúde, sobre uma verdadeira máfia da doença.
 
 
Denúncia médica:
 

 
“Esta é uma história verídica que presenciei e vou, com toda certeza, fazê-los pensar muito. Vou resumi-la para que entendam o recado directamente: Gustavo (nome fictício) descobriu que era portador de um tumor de recto (cancro do intestino) há alguns meses.
 

 
Estava bem, mas com única queixa de sangramento ao evacuar. Desespero familiar e pessoal, primeiro caso na família, homem jovem (50 anos), de hábitos de vida e alimentação saudáveis. Foi levado aos especialistas conhecidos como “professores”, “PhDs” e a decisão foi tomada: apesar de não haverem evidências de metástase, ele entraria no protocolo da Quimioterapia seguida de Radioterapia e depois seria submetido a cirurgia curativa.
 

 
Como ele tem médicos na família, a decisão teve forte apoio familiar e confiança total no protocolo indicado. No seu caso, indicaram uma Quimioterapia nova, com doses orais e um tratamento particular. Naquele “jogo” habitual de um médico mandando pro outro para estabelecerem um tratamento “ideal”, o tratamento foi iniciado.
 

 
Lembro como se fosse hoje, de ter passado algumas noites a pensar sobre o que eu poderia fazer para ajudá-lo, muito do que eu aconselharia, poderia trazer sérios problemas sociais de minha opinião, com a opinião mais ortodoxa dos familiares médicos. Passei dias a pensar na frase que ouvira não só de um de meus maiores mestres, Dr. Lair Ribeiro, bem como da boca de outros muitos cientistas desvinculados às indústrias farmacêuticas: “Grande parte dos pacientes com Cancro não morrem do cancro, mas sim das Quimioterapias”.
 

 
Decidi ir até ele, e ainda no primeiro dia de seu tratamento fui claro e objectivo. Disse-lhe que se fosse Eu, no seu caso, sem metástases, não faria Quimioterapia. O motivo é longo, mas fundamentalmente baseado no facto de que ninguém sabe o que pode acontecer de efeitos colaterais com estes venenos. Se fosse realizada somente a Radioterapia na procura de diminuir o Tumor e, posteriormente uma Cirurgia para removê-lo, com toda certeza a segurança era muito alta de resolução do problema.
 

 
Portanto, Quimioterapia para que? Para talvez uma possibilidade de, no futuro, não ter recidiva? E como acreditar nisso, se nunca comparamos os indivíduos com eles mesmos para saber se realmente vale a pena ou não nestes casos? Vejam bem, estou a falar sobre um caso isolado, pois em outros tipos de tumores, as abordagens podem ser diferentes e mesmo na minha opinião sobre a Quimioterapia, pode ser positiva.
 

 
Mas isso me motivou a pesquisar, pesquisar e ver que por coincidência, a única classe de medicamentos NO MUNDO que até hoje nunca precisou de ser comparada a placebo (pílula de farinha ou açúcar), foram os Quimioterápicos. Muito estranho, pois a resposta da indústria farmacêutica é que esta doença é muito importante, que não há espaço para se comparar com placebo.
 

 
Então, resumindo:
 

 
Nunca testamos a diferença das quimioterapias em termos de recidiva, com tratamento placebo!
 

 
Milhares de pessoas morrem por efeitos adversos destes venenos!
 

 
Se realizar a cirurgia estaremos “livrando-nos” do problema!
 

 
Só Deus sabe se no futuro haverá recidiva (existem muitos detalhes aqui a serem ditos)!
 

 
Bom, não tinha como eu não ir lá e falar com aquele homem, colocar para fora a angústia que me prendia ao conhecimento que tinha comigo. Ao mesmo tempo sabia que seria somente uma voz, que apesar de ter muita confiança por parte dele, não transcenderia a opinião daqueles super especialistas. E na verdade, inclusive quando fui até o Dr. Lair Ribeiro para pedir-lhe opinião, fui aconselhado a não interferir, por diversos motivos. A evolução do tratamento passou a ser drástica e triste, pois já no quarto dia da quimioterapia o homem estava numa situação absolutamente debilitada, nem parecia mais aquele homem enérgico e com toda vida que conhecera e já aproximadamente no sétimo dia ele teve que ser internado num hospital de médio porte.
 

 
A situação agravou-se, a CTI daquele hospital não tinha condições para atendê-lo quando o quadro evoluiu para insuficiência respiratória, e graças então ao familiar, depois de muita luta para tentar conseguir uma vaga num hospital que pudesse mantê-lo vivo, a transferência foi feita.
 

 
Situação de tristeza familiar, transtorno para toda aquela família que teve que se deslocar para lutar junto daquele homem diariamente, desestabilização financeira, psicológica, enfim aquela história que não desejamos nem aos nossos piores inimigos (para quem os tem).
 

 
Os efeitos da Quimioterapia mantiveram-no em coma por quase 3 meses e, coincidentemente, na cama ao lado (num dos melhores e mais bem equipados hospitais), também estava uma pessoa em coma devido a efeitos colaterais de quimioterápicos.
 

 
Luta comoção. Eu mesmo visitei-o frequentemente e fiz questão de encostar-me a ele e incentivar todos os familiares que fizessem a higiene adequada e também o fizessem, ao contrário de todos os “avisos”, para encostar o mínimo possível no paciente pelo risco de infecção.
 

 
Mas pedi que todos tivessem somente pensamentos positivos, concentrassem as suas energias em coisas boas e nunca em tristeza e piedade por aquela situação.
 

 
Quem chegasse ao lado dele, apesar da cena assustadora inclusive para médicos, com a pele completamente alterada e parecendo queimada, sem cabelos, emagrecimento com edema generalizado e todos os aparelhos possíveis, tinha que sorrir, conversar com ele em tom firme, ter certeza de que melhoraria e passando através das mãos sobre qualquer parte de seu corpo, um feixe de energia potente, de luz amarelo ou dourado brilhante (baseado em conceitos CROMOTERÁPICOS milenares).
 

 
Bem, mas passados 3 meses ele saiu do coma, indo contra qualquer opinião médica possível, pois todos eram enfáticos em dizer que as hipóteses eram mínimas (e eu como médico sei que estavam ali a falar exatamente a verdade dos factos). Saído do coma foi para a cama e, após mais 1 mês a recuperar-se, conseguiu sair do Hospital, porém com o seu foco do problema (o Cancro), absolutamente em segundo ou último plano.
 

 
O objectivo durante toda internação, foi salvar a sua vida dos efeitos da Quimioterapia e só. E a partir do momento em que se iniciou o quadro dos efeitos maléficos, sabem quantas vezes aquele médico professor PhD e super especialista que indicou o tratamento, se pronunciou ou ao menos foi até o hospital ver o que tinha acontecido e explicar o porque? NENHUMA!
 

 
Parece brincadeira, mas não é! O trabalho daquele profissional foi simplesmente indicar uma droga (sabe-se lá com quais reais motivos) e lavar as mãos para o que poderia ou não acontecer, afinal de contas, ele estaria protegido pelo Protocolo.
 

 
Todos prescreveriam algum quimioterápico, pois faz parte do protocolo de tratamento. Mas querem saber o que eu penso? Desculpem-me a expressão, mas “que se dane o protocolo”, não estamos a tratar robôs nem animais irracionais! Lidar com pessoas, necessita individualização de condutas, personalização de opções terapêuticas e análise criteriosa de riscos X benefícios.
 

 
Máfia da Doença, médicos que podem matar pacientes
 
 
Se este tipo de conduta pode levar o paciente à morte sem nenhuma garantia de que no futuro irá de facto evitar uma recidiva, ao passo que o outro tratará directamente o problema, o mínimo desejável e esperado é que as coisas sejam esclarecidas com paciente e família. O mínimo é honestidade, ponderação, humanização. E depois do problema, simplesmente dizer que ele caiu na estatística e que poderia acontecer, e que a culpa é do cancro? Nem se quer ir até o Hospital e a família ser obrigada a contratar, em caráter obrigatório e particular, um médico que possa acompanhar e tentar resolver a situação dentro do CTI, tornando-se o médico responsável? Parece piada, sinceramente!
 

 
Sim, revolta, mesmo eu sendo médico, sabendo que a maioria dos médicos não compactua com estas atitudes, mas também sabendo que, como os próprios familiares médicos fizeram, acabamos por acreditar que era realmente a única e correcta opção, pois aprendemos nas universidades que os protocolos devem ser seguidos independentes do caso e atrás disto, nos escondemos e eximimos da responsabilidade da consciência pessoal literalmente.
 

 
E esperem aí, porque a história ainda não terminou! Um dos efeitos colaterais dos quimioterápicos foi uma queimadura extensa também a nível interno das mucosas e o esófago estenosou (fechou, colou). Resultado disto: alimentos não passam mais pelo aparelho digestivo e ele está a ser obrigado a alimentar-se por uma sonda colocada através da pele directamente no estômago todos os dias, mesmo após 3 meses fora do Hospital.
 

 
(Neste período ele está a recuperar-se, que fique claro, não do cancro, mas da quimioterapia), alimentando-se por sonda, ou seja, necessita sempre de ajuda para o preparo, caminhando agora com muletas, pois passou boa parte do tempo sem conseguir firmar as pernas devido a uma grande perda de massa muscular e, enfim, a tentar estar recuperado para a próxima etapa.
 

 
A situação actual é que ele retomou somente a radioterapia para tentar desta vez diminuir o Tumor, depois será submetido a uma cirurgia para removê-lo, depois recuperação e, por último, a parte mais delicada e perigosa: tentativa de reconstrução do aparelho digestivo através de uma complicada cirurgia.
 

 
Mas vamos aos factos e deixem-me tentar respirar profundamente, secar os meus olhos cheios de lágrimas, e pontuar o objectivo desta minha publicação: será realmente que estamos no caminho correcto? É esta A MEDICINA AVANÇADA que temos em pleno 2014? Como confiar neste tipo de abordagem? Quais são os interesses que estão a mover parte de nossa ciência? As questões são inúmeras, eu tenho boa parte das respostas e você deve tentar construir as suas, pois já lhes dei aqui muita informação para o fazer.
 

 
Gostaria de lembrar que NUNCA tenho objectivo de generalizar uma comunidade inteira de médicos, nem mesmo das especialidades.
 

 
A você, que está a ler esta publicação, agradeço por fazer parte de uma corrente a procura de mudanças. Agradeço o interesse pela saúde e peço que partilhe, principalmente as reportagens, pois precisamos acordar para uma realidade diferente. É injusto generalizarmos classes, porém se quisermos justiça devemos fazer a nossa parte para atingi-la.
 

 Esta ligação tão próxima de indústrias farmacêuticas com médicos, os pagamentos de comissões, aquele programa “ROPP” que contabiliza, identifica e recompensa os profissionais que mais receitam um ou outro fármaco, que paga congressos, jantares, reformas e enchem os consultórios médicos de representantes com as suas AMOSTRAS “grátis” não são o caminho correcto e todos nós. Compartilha já com teus amigos e familiares, todos merecem saber desse lado da história que não nos contam!
 
                                                                                                          Fonte: doutissima.com.br
Continue lendo...

08 abril 2017

ALERTA: A REALIDADE DE QUEM VIVE COM DEPRESSÃO: "OU PEDE AJUDA, OU SE SUICIDA"


A atriz e diretora Katarzyna Napiórkowska produziu impactantes vídeos que mostram vida com depressão e dá dicas de como conviver com alguém depressivo.

A depressão é uma doença devastadora, mas que não é levada a sério por muitos. Quantas vezes já escutou a frase “isso é frescura” quando alguém toca nesse assunto? Pensando nisso, a atriz, diretora, fotógrafa e vlogueira  Katarzyna Napiórkowska produziu um vídeo impactante mostrando como é a vida de quem sofre com depressão. 


Depressão não é invenção ou desculpa, é uma doença que pode causar morte.

Em “Living with depression” (ou Vivendo com depressão, em português), uma jovem descreve todo o processo de desenvolvimento da doença, seus sentimentos e atitudes. É uma tentativa de mostrar como a doença realmente afeta o dia a dia da pessoa e a transforma. 


Com o tempo a situação só piora e as mínimas coisas se tornam grandes problemas.

Vivendo com depressão (Legendado)
O vídeo original teve mais de 1,5 milhão de visualizações e foi compartilhado diversas vezes nas redes sociais. O seu complemento, outro vídeo intitulado de “Living with a depressed person” (Vivendo com uma pessoa depressiva, em português), veio alguns dias depois. Nele, Kat conta que nunca teve depressão, mas que já conviveu com muitas pessoas depressivas e deixa claro que o passo mais importante é pedir ajuda médica. 
“Não, eu nunca tive depressão, não estou na posição de dar nenhum conselho, mas já convivi com muitas pessoas nessa situação. A depressão não é uma escolha, são reações químicas que acontecem no cérebro e ninguém consegue controlar isso.”, explica Kat.


Chega uma hora que a pessoa com depressão só tem duas saídas: procurar ajuda ou tentar o suicídio.

As principais dicas dadas Katarzyna para quem convive com pessoas depressivas são:
1. Nunca diga coisas do tipo “não entendo porque está reclamando” ou “não sei do que você precisa”. Isso nunca ajuda e quem tem depressão não pode se sentir envergonhado ou culpado. 
2. Não se torne superprotetor. Se a pessoa não quiser conversar sobre o problema, dê espaço para ela respirar. Volte depois de um tempo e apenas mostre que você está ali para qualquer coisa. 


Dê espaço para quem tem depressão respirar, mas mostre que você está sempre por perto.

3. Encoraje quem tem depressão a procurar um especialista. Um tratamento apropriado é o que mais ajuda.
4. Saiba que a convivência é muito complicada e que você terá que ter paciência e força. Muitas vezes não é a pessoa que está falando, mas sim a doença. Não crie muitas expectativas.
Para mais dicas e depoimentos, veja o vídeo em inglês.
FONTE: http://saude.ig.com.br/

Comentário: A depressão não é uma escolha, são reações químicas que acontecem no cérebro e ninguém consegue controlar isso.
“Fiquei desconcertado, encurvei-me ao máximo; o dia inteiro tenho andado entristecido.” — Salmo 38:6.
O QUE OS ESPECIALISTAS DIZEM
Todas as pessoas se sentem deprimidas de vez em quando, mas a depressão clínica é um distúrbio debilitante contínuo que interfere no dia a dia da pessoa. Nem todos os especialistas concordam no que é tristeza “normal” e no que é “distúrbio”. Mas, sem dúvida, algumas pessoas têm sentimentos negativos profundos, às vezes acompanhados de excessivo sentimento de culpa e de inutilidade.
O QUE A BÍBLIA DIZ
A Bíblia menciona muitos homens e mulheres que tiveram sentimentos negativos. Por exemplo, Ana sentiu-se “amargurada de alma” — uma expressão que pode ser vertida como ‘aflita’ e ‘muito triste’. (1 Samuel 1:10) Certa ocasião, o profeta Elias ficou tão triste a ponto de pedir ao Eterno Deus que tirasse sua vida. — 1 Reis 19:4.
Os cristãos do primeiro século foram instruídos a ‘falar consoladoramente às almas deprimidas’. (1 Tessalonicenses 5:14) De acordo com uma obra de referência, o termo “almas deprimidas” pode se referir àqueles “que são temporariamente vencidos pelo estresse da vida”. Tudo indica que até mesmo homens e mulheres fiéis do passado às vezes se sentiam deprimidos.
A pessoa é culpada de ter depressão?
“Toda a criação junta persiste em gemer e junta está em dores até agora.” — Romanos 8:22.
O QUE A BÍBLIA DIZ
A Bíblia ensina que as doenças são resultado da rebelião do primeiro casal humano. Por exemplo, Salmo 51:5 declara: “Em erro fui dado à luz com dores de parto, e em pecado me concebeu minha mãe.” Romanos 5:12 explica que “por intermédio de um só homem [Adão] entrou o pecado no mundo, e a morte por intermédio do pecado, e assim a morte se espalhou a todos os homens, porque todos tinham pecado”. Por termos herdado a imperfeição de Adão, todos nós estamos sujeitos a doenças físicas e emocionais. Por isso, “toda a criação junta persiste em gemer e junta está em dores”. (Romanos 8:22) Mas a Bíblia também dá uma esperança que nenhum médico pode dar — a de um novo mundo pacífico, prometido por Deus, onde não haverá mais doenças nem distúrbios, incluindo a depressão. — Revelação (Apocalipse) 21:4.
Como você pode lidar com a depressão?
“Perto está YHWH dos que têm coração quebrantado; e salva os que têm espírito esmagado.” — Salmo 34:18.
POR QUE ISSO DEVERIA INTERESSAR VOCÊ?
Nem sempre você pode controlar as circunstâncias, e coisas ruins acabam lhe afetando. (Eclesiastes 9:11, 12) Mas você pode tomar medidas práticas para não ser dominado por sentimentos negativos.
O QUE A BÍBLIA DIZ
A Bíblia reconhece que os doentes precisam de médico. (Lucas 5:31) Então, se você sofre de um debilitante transtorno de humor, não há nada de errado em procurar ajuda médica. A Bíblia também enfatiza a importância da oração. Por exemplo, Salmo 55:22 diz: “Lança teu fardo sobre o próprio YHWH, e Ele mesmo te susterá. Nunca permitirá que o justo seja abalado.” Os benefícios da oração não são imaginários; são reais. Quando oramos, nos comunicamos com o Eterno Deus, que está ‘perto dos que têm coração quebrantado’. — Salmo 34:18.
Abrir-se com um amigo íntimo também pode ser de ajuda. (Provérbios 17:17)

FONTE SECUNDARIA:http://www.apocalipsenews.com/
Continue lendo...

Mais Populares

 
Copyright © 2016 ORIGINAIS OADM • All Rights Reserved.
Template Design by ORIGINAIS OADM • Powered by Blogger
back to top