Mostrar mensagens com a etiqueta APOCALIPSE. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta APOCALIPSE. Mostrar todas as mensagens

Apocalipse (Revelação) Para quem não sabe saiba e para quem sabe comente!


APOCALIPSE
A palavra grega (a·po·ká·ly·psis) assim traduzida indica “uma exibição” ou “um desvendamento”, e é amiúde usada com referência a revelações de assuntos espirituais ou da vontade e dos propósitos de Deus. (Lu 2:32; 1Co 14:6, 26; 2Co 12:1, 7; Gál 1:12; 2:2; Ef 1:17; Re 1:1; Int) A operação do espírito de Deus torna possível tais revelações. A respeito da revelação do “segredo sagrado”, o apóstolo Paulo escreveu: “Em outras gerações, este segredo não foi dado a conhecer aos filhos dos homens assim como agora tem sido revelado aos seus santos apóstolos e profetas, por espírito.
-

O livro de Atos confirma convincentemente que esta revelação do segredo sagrado resultou da operação do espírito de Deus. Fora por orientação do espírito que Pedro, Paulo e Barnabé pregaram aos não-judeus. Crentes não-judeus, “pessoas das nações”, receberam espírito santo enquanto estavam em estado incircunciso, tornando-se assim um povo para o nome de Deus. (At 10:9-48; 13:2-4) O profeta Amós, sob inspiração, predissera isto, e, no primeiro século EC, o cumprimento de sua profecia tornou-se evidente por meio da operação do espírito de Deus. — At 15:7-20; compare com Am 9:11, 12, LXX.
-

A Bíblia fala também da “revelação do julgamento justo de Deus” (Ro 2:5), da “revelação dos filhos de Deus” (Ro 8:19), bem como da “revelação de Jesus Cristo” e “de sua glória”. (1Pe 1:13; 4:13) A consideração do contexto e de textos relacionados ajuda a determinar quando ocorrem tais revelações, ou desvendamentos. Em cada caso, o desvendamento, ou revelação, é ocasião de fazer com que pessoas justas entrem no gozo de determinadas recompensas e bênçãos, ou de trazer destruição sobre os iníquos.
-

Dos Filhos de Deus. Em sua carta aos romanos, o apóstolo Paulo identificou os “filhos” de Deus como aqueles que receberam um espírito de adoção. Sendo co-herdeiros de Cristo, tais filhos de Deus serão glorificados. (Ro 8:14-18) O Senhor Jesus Cristo remodelará o corpo humilhado deles para ajustar-se ao seu corpo glorioso (Fil 3:20, 21), e reinarão com ele. (2Ti 2:12) Assim, a “revelação dos filhos de Deus” chama atenção para o tempo em que se tornará evidente que eles foram realmente glorificados e estão reinando com Cristo Jesus. A glória que se revelará neles será tão grandiosa que fará com que todo o seu anterior sofrimento na terra pareça nada. (Ro 8:18, 19) Esta revelação é acompanhada por grandiosas bênçãos, pois o apóstolo Paulo escreve: “A própria criação também será liberta da escravização à corrupção e terá a liberdade gloriosa dos filhos de Deus.” — Ro 8:21.
-

Do Julgamento Justo de Deus. Em Romanos 2:5, a “revelação do julgamento justo de Deus” está associada com o ‘dia do furor de Deus’. Portanto, o julgamento justo de Deus é revelado quando ‘ele dá a cada um segundo as suas obras’, vida eterna aos que perseveram em obras excelentes e destruição aos que obedecem à injustiça. — Ro 2:6-8.
-

De Jesus Cristo. A “revelação de Jesus Cristo” e “de sua glória” é a época de recompensar seus seguidores fiéis e executar vingança sobre os ímpios. Assim, ele é revelado como glorioso Rei, autorizado a recompensar e a punir. As Escrituras mostram que os cristãos ungidos pelo espírito que suportaram fielmente o sofrimento ficariam “cheios de alegria” durante a revelação da glória de Cristo. (1Pe 4:13) A qualidade provada de sua fé seria considerada causa para louvor, glória e honra por ocasião da revelação de Jesus Cristo, e estes cristãos se beneficiariam da benignidade imerecida. (1Pe 1:7, 13).


Continue lendo...

As verdades bíblicas sobre os OVNIs, Existem mas não são da parte de Deus

As verdades bíblicas sobre os OVNIs

Este é um assunto que atualmente tem chamado a atenção, não só das personalidades e comunidades científicas, mas também dos escolhidos de Deus ( Povo de Deus ), assim como daqueles que concluímos serem “leigos” no assunto. E, lendo alguns livros e relatos sobre o assunto, sinto-me na obrigação de fazer conhecida por todos o que considero serem as verdades bíblicas sobre OVNIs.

-

Vivemos em um mundo conturbado por problemas sociais que a cada dia dilatam mais ainda as idéias sobre as possibilidades e teorias sobre muitas coisas envolvendo o ocultismo, entre elas a ufologia. Eu apenas quero dar motivos (nos quais eu creio e afirmo com toda convicção da sua verdade) para que creiamos que os nossos visitantes não são bem aquilo que pensamos!

-

Um texto bíblico que chama a atenção sobre o assunto está em Lucas 21.11 que diz assim:

“Em vários lugares haverá grandes tremores de terra, falta de alimentos e epidemias. Acontecerão coisas terríveis, e grandes sinais serão vistos no céu”.
-
Jesus Cristo, nos adverte contra o que haveria de acontecer no considerado pelos cristãos de todo o mundo como o final dos tempos. Apenas uma profecia apocalíptica para que nos preparássemos.

-

Essas coisas realmente tem acontecido, só que muitas pessoas não tem procurado a verdade sobre tudo, porém existe algo mais, existe uma trama maligna diante dessas aparições e fenômenos anormais, que procura profanar o evangelho de Jesus Cristo.

-

A finalidade principal, creio eu, é acabar com dogmas e doutrinas do cristianismo e consequentemente pregar as doutrinas do ocultismo, espiritismo e, finalizando, erguer a Nova Era e suas mentiras.

-

Quanto a isso, o apóstolo Paulo também nos adverte na carta aos Gálatas 1. 8:

-


“Mas, se alguém, mesmo que sejamos nós ou um anjo do céu, anunciar a vocês um evangelho diferente daquele que temos anunciado, que seja amaldiçoado!”.

-
Paulo expressa sua preocupação neste texto sobre o cuidado com as contradições que esses “visitantes” afirmam quanto ao evangelho. Ele adverte ao povo, quanto a astúcia do maligno em usar pessoas e até mesmo criaturas “celestiais” para profanar e desmoralizar a Palavra de Deus.

-

O termo “anjo do céu” refere-se aos anjos decaídos do céu, os quais foram a favor de Lúcifer e seus ideais. Faz-se então necessário esclarecer o que se refere a celestial. Biblicamente, existem três dimensões do chamado céu. Um é o que nós enxergamos, onde só existe mesmo o que é visível. O Segundo Céu são as chamadas Regiões Celestiais, onde acontecem as constantes batalhas espirituais entre os anjos de Deus e os do Diabo.

-

O Terceiro céu é onde conhecemos como o Céu de Deus, onde habita o Deus Supremo e seus anjos.

-

Dr. Walter Martin, considerado a autoridade máxima em seitas e ocultismo declara:

-

“O segredo é a teologia deles. Dizem todos a mesma coisa e tudo é uma deturpação da Bíblia. Isso me faz acreditar que o que a Bíblia disse que ocorreria está acontecendo. Estamos tratando com uma outra dimensão da realidade que a Bíblia menciona freqüentemente. Ela é chamada de ‘domínio das potestades do ar’. Em outras palavras, trata-se de uma manifestação sobrenatural que o cristianismo, o islamismo e o judaísmo chamariam de demoníaca. Não penso que exista um demônio por trás de cada arbusto ou árvore. Estou apenas dizendo: o que poderíamos esperar no fim dos tempos em nossa cultura avançada? Esperaríamos uma manifestação que se ajustasse às estruturas da nossa era. Que melhor maneira de atrair-nos do que com visitantes intergalácticos? … Temos obsessão por eles!”.

-

Elaine Morganelli, uma das participantes da reunião de Whitley Strieber (autor de vários best sellers sobre o assunto, como Communion e Transformation. Strieber possuía ainda antecedentes fortes no ocultismo (Zen, cartas de tarô, estados alterados de consciência, Gurdjieff e Ouspenjsky) e além dos livros sobre OVNIs, escreveu ainda vários livros ocultistas, como Black Magic, Night Church, The Hunger… ), conclui o que acontecera; uma resposta amedrontadora, mas real: “O que me chamou a atenção foi quando ele (Strieber) se referiu ao Senhor e seus anjos como ‘Nazistas do Ar’. Quando ele fez esse comentário, pensei: ‘É isso! Estou fora’” .

-

Paulo preocupava-se com esse tipo de artimanha do maligno para nossa época. Paulo estava completamente certo!

-

Strieber, na condição de adepto das filosofias ocultistas, tem importantes definições dos nossos ‘amigos’ do espaço. Em um dos trechos de seus livros, Whitley relata uma curiosidade sobre a sua relação com OVNIs, reparem uma certa “conscidência” com o ocultismo:

-

“Fiquei completamente amedrontado. O medo era tão grande que pareceu fazer com que toda a minha personalidade se evaporasse… ‘Whitley’ deixou de existir. O que ficou foi um corpo e uma sensação extrema de medo, tão grande que me envolveu como uma cortina pesada e sufocante, transformando a paralisia numa condição semelhante à morte… eu morri, e um animal selvagem apareceu em meu lugar.

-

Em outros pontos retrata fatos importantíssimos ao descrever um dos alienígenas: “Parecia quase um demônio, com um rosto estreito e escuro, olhos puxados. Falou comigo numa voz aguda e guinchante”.

-

Strieber comenta seus pensamentos: “Fiquei pensando que talvez estivesse nas garras de demônios, … é claro que eram demônios!”, e fala ainda sobre agonias íntimas (seqüelas e traumas dos seqüestros).

-

Se cremos que a Bíblia é completa e indivisível, se cremos que existe um Deus lá no céu que escreveu a sua Palavra Divina através de homens comprometidos com Ele, não podemos deixar de atentar para o fato de Ovnis serem entidades demoníacas, que estão cumprindo as profecias apocalípticas.

-

Alerta OVNIs Ufos

-

Pelo menos na imaginação de muita gente, os objetos voadores não identificados são naves de outros planetas. A ciência não leva isso a sério, mas algumas aparições nunca foram bem explicadas. Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso

-

VISITE A LISTA DE CASOS QUE OCORRERAM

http://feeds.feedburner.com/CuoUfologiaOriginais

-

ACOMPANHE AS ULTIMAS NOTICIAS ACESSE:

http://ufologiaoriginais.blogspot.com.br/p/postagens.html

Continue lendo...

A identificação da fera e da sua marca número 666

Anticristo Saiba a marca da besta 666
GOSTA de desvendar mistérios? Para encontrar a solução, você procura indícios que o ajudam a encontrá-la. Deus proveu na sua Palavra inspirada as informações necessárias a respeito do número 666, o nome, ou a marca, da fera mencionada no capítulo 13 de  Apocalipse.
Neste artigo, examinaremos quatro linhas de raciocínio — indícios vitais — que nos revelarão o significado da marca da fera. Consideraremos
(1) como os nomes bíblicos às vezes são escolhidos,
(2) a identidade da fera,
(3) o que significa dizer que 666 é “número de homem”, e
(4) o significado do número 6 e por que é escrito três vezes, a saber, 600 mais 60 mais 6, ou 666. — Revelação 13:18.
Nomes bíblicos são mais do que apenas um rótulo
Nomes bíblicos muitas vezes têm um significado especial, particularmente quando dados por Deus. Por exemplo, visto que Abrão ia tornar-se pai duma nação, Deus mudou o nome desse patriarca para Abraão, que significa “Pai Duma Multidão”. (Gênesis 17:5, nota, NM com Referências) Deus instruiu José e Maria a chamar o futuro filho dela de Jesus, que significa “Jeová É Salvação”. (Mateus 1:21, nota, NM com Referências; Lucas 1:31) Em harmonia com esse nome que tem significado especial, Jeová possibilitou a nossa salvação por meio do ministério e da morte sacrificial de Jesus. — João 3:16.
Portanto, o número 666, dado por Deus como nome, deve simbolizar o que ele considera ser os traços distintivos da fera. Naturalmente, para entendermos tais características temos de identificar a própria fera e conhecer suas atividades.
A identificação da fera
O livro bíblico de Daniel lança muita luz sobre o significado de animais simbólicos. O capítulo 7 contém uma descrição detalhada e vívida de “quatro animais gigantescos” — um leão, um urso, um leopardo e um atemorizante animal com grandes dentes de ferro. (Daniel 7:2-7) Daniel nos diz que esses animais representam “reis”, ou reinos políticos, que governam em sucessão enormes impérios. — Daniel 7:17, 23.
The Interpreter’s Dictionary of the Bible (O Dicionário Bíblico do Intérprete) diz a respeito da fera de Revelação 13:1, 2 que ela “combina todas as características das quatro feras da visão de Daniel  . . . Portanto, essa primeira fera [de Revelação] representa as forças conjuntas de todos os governos políticos no mundo opostos a Deus”. Essa observação é confirmada pelo texto de Revelação 13:7, que diz a respeito da fera: “Foi-lhe dada autoridade sobre toda tribo, e povo, e língua, e nação.”
Por que a Bíblia usa feras como símbolos de governo humano? Pelo menos por dois motivos. Primeiro, por causa do registro animalesco de derramamento de sangue acumulado no decorrer dos séculos. “A guerra é uma das constantes da história”, escreveram os historiadores Will e Ariel Durant, “e não tem diminuído, apesar da civilização e da democracia”. Certamente, “homem tem dominado homem para seu prejuízo”. (Eclesiastes 8:9) O segundo motivo é que “o dragão [Satanás] deu à fera seu poder e seu trono, e grande autoridade”. (Revelação 12:9; 13:2) Portanto, foi o Diabo que deu origem à dominação humana e, por isso, ela reflete a disposição dele, que é similar a um animal — um dragão. — João 8:44; Efésios 6:12.
No entanto, isso não significa que todos os governantes humanos sejam instrumentos de Satanás. Na realidade, em certo sentido, os governos humanos servem como ‘ministros de Deus’, dando uma certa estabilidade à sociedade humana, sem a qual haveria caos. Alguns líderes têm protegido direitos humanos fundamentais, inclusive o direito de praticar a religião verdadeira — algo que Satanás não quer. (Romanos 13:3, 4; Esdras 7:11-27; Atos 13:7) Ainda assim, por causa da influência do Diabo, nenhum homem ou instituição humana jamais conseguiu trazer duradoura paz e segurança às pessoas. — João 12:31.
“Um número humano”
Um terceiro indício para saber o significado de 666 é o fato de ele ser chamado de “número de homem” ou, conforme diz The Amplified Bible, “um número humano”. Essa expressão não pode se referir a um único ser humano, porque é Satanás — não algum homem — que exerce autoridade sobre a fera. (Lucas 4:5, 6; 1 João 5:19; Revelação 13:2, 18) Antes, ter a fera “um número humano”, ou marca humana, sugere que se trata de uma entidade humana, não espiritual ou demoníaca, e por isso manifesta certas características humanas. Quais seriam essas? A Bíblia responde, dizendo: “Todos [os humanos] pecaram e não atingem a glória de Deus.” (Romanos 3:23) O “número humano” da fera, portanto, indica que governos refletem a decaída condição humana, a marca do pecado e da imperfeição.
A História confirma isso. “Toda civilização que já existiu por fim desmoronou”, disse o ex-Secretário de Estado Henry Kissinger, dos Estados Unidos. “A História é um relato de esforços que fracassaram, de aspirações não concretizadas  . . . Portanto, o historiador tem de viver com o senso da inevitabilidade de tragédia.” A avaliação honesta de Kissinger confirma a seguinte verdade bíblica fundamental: “Não é do homem terreno o seu caminho. Não é do homem que anda o dirigir o seu passo.” — Jeremias 10:23.
Agora que identificamos a fera e discernimos como Deus a encara, podemos examinar a parte final desse mistério — o número seis, e por que foi repetido três vezes — quer dizer, 666, ou 600 mais 60 mais 6.
Seis repetido três vezes — por quê?
Nas Escrituras, certos números têm um significado simbólico. Um exemplo disso é o número sete que muitas vezes é usado para simbolizar o que é completo, ou perfeito, aos olhos de Deus. Por exemplo, a semana criativa de Deus tem sete ‘dias’, ou longos períodos, durante os quais Deus realizou completamente seu objetivo criativo referente à Terra. (Gênesis 1:3–2:3) As “declarações” de Deus são como prata que foi “depurada sete vezes”, ficando assim refinada perfeitamente. (Salmo 12:6; Provérbios 30:5, 6) Mandou-se que o leproso Naamã se banhasse sete vezes no rio Jordão, e ele foi totalmente curado. — 2 Reis 5:10, 14.
Seis é um número inferior a sete. Não seria um símbolo apropriado aos olhos de Deus de algo imperfeito ou defeituoso? Com certeza! (1 Crônicas 20:6, 7) Além disso, seis repetido três vezes, como 666, enfatiza fortemente essa imperfeição. Que esse é o entendimento correto é confirmado pelo fato de que 666 é “um número humano”, conforme já consideramos. De modo que a história da fera, seu “número humano”, bem como o próprio número 666, levam a uma só conclusão indiscutível — graves deficiências e fracasso aos olhos de Jeová.
A descrição das deficiências da fera faz lembrar o que se disse a respeito do Rei Belsazar, da antiga Babilônia. Jeová disse àquele governante por meio de Daniel: “Foste pesado na balança e achado deficiente.” Belsazar foi morto naquela mesma noite, e o poderoso Império Babilônico caiu. (Daniel 5:27, 30) Do mesmo modo, o julgamento de Deus contra a fera política e os que têm a sua marca significa o fim dela e dos seus apoiadores. Nesse caso, porém, Deus não erradicará apenas um sistema político, mas todo o vestígio de governo humano. (Daniel 2:44; Revelação 19:19, 20) Portanto, é muito importante que evitemos ter a marca mortífera da fera.
A identificação da marca
Logo depois de revelar o número 666, Revelação menciona 144.000 seguidores do Cordeiro, Jesus Cristo, os quais têm o nome dele e o do seu Pai, Jeová, escritos nas suas testas. Os que levam esses nomes se identificam como pertencendo a Jeová e a seu Filho, a respeito dos quais dão testemunho orgulhosamente. Do mesmo modo, os que têm a marca da fera proclamam sua servidão a ela. Portanto, a marca figurativa, quer na mão direita quer na testa, é um símbolo que identifica a pessoa como alguém que dá devoção idólatra ao sistema político animalesco do mundo. Os que têm a marca dão a “César” aquilo que legitimamente pertence a Deus. (Lucas 20:25; Revelação 13:4, 8; 14:1) Como? Por darem honra idólatra ao estado político, a seus símbolos e seu poderio militar, a que recorrem em busca de esperança e salvação. Qualquer adoração que prestem ao verdadeiro Deus é apenas uma fachada de religiosidade.
Em contraste, a Bíblia nos exorta: “Não confieis nos nobres, nem no filho do homem terreno, a quem não pertence a salvação. Sai-lhe o espírito, ele volta ao seu solo; neste dia perecem deveras os seus pensamentos.” (Salmo 146:3, 4) Os que acatam esse conselho sábio não ficam desiludidos quando governos deixam de cumprir as suas promessas, ou quando líderes carismáticos se tornam impopulares. — Provérbios 1:33.
Isso não significa que os verdadeiros cristãos ficam de braços cruzados sem fazer nada a respeito da aflição da humanidade. Ao contrário, proclamam ativamente o único governo que resolverá os problemas da humanidade — o Reino de Deus, do qual são representantes. — Mateus 24:14.
O Reino de Deus, a única esperança da humanidade
Quando Jesus esteve na Terra, ele fez do Reino de Deus o tema principal da sua pregação. (Lucas 4:43) Na sua oração-modelo, às vezes chamada de oração do Pai-Nosso, Jesus ensinou aos seus seguidores a orarem pela vinda deste Reino e para se fazer a vontade de Deus aqui na Terra. (Mateus 6:9, 10) O Reino é um governo que regerá a Terra inteira, não de alguma capital terrestre, mas do céu. Por isso, Jesus o chamou de “o reino dos céus”. — Mateus 11:12.
Quem está melhor habilitado a ser Rei desse Reino do que Jesus Cristo, que morreu a favor dos seus futuros súditos? (Isaías 9:6, 7; João 3:16) Dentro em breve, este Governante perfeito, agora uma poderosa pessoa espiritual, lançará a fera, seus reis e seus exércitos “no lago ardente que queima com enxofre”, símbolo de completa destruição. Mas isso não é tudo. Jesus eliminará também Satanás, algo que nenhum humano conseguiria fazer. — Apocalipse 11:15; 19:16, 19-21; 20:2.
O Reino de Deus trará paz para todos os seus súditos obedientes. (Salmo 37:11, 29; 46:8, 9) Até mesmo a tristeza, a dor e a morte não existirão mais. Que perspectiva gloriosa para os que se mantêm livres da marca da fera! — Apocalipse 21:3, 4.
Fonte: Pesquisa
Continue lendo...

PROFECIAS - Sinais do Fim dos Tempos 01

profecias-biblicas 01


“PORQUE HAVERÁ HOMENS AMANTES DE SI MESMOS, AVARENTOS, PRESUNÇOSOS, SOBERBOS, DESOBEDIENTES A PAIS E MÃES, INGRATOS, PROFANOS, SEM AFETO NATURAL, IRRECONCILIÁVEIS, CALUNIADORES, INCONTINENTES, CRUÉIS, SEM AMOR PARA COM OS BONS, TRAIDORES, OBSTINADOS, ORGULHOSOS, MAIS AMIGOS DO DINHEIRO DO QUE AMIGOS DE DEUS, TENDO APARÊNCIA DE PIEDADE, MAS NEGANDO A EFICÁCIA DELA. DESTES AFASTA-TE.” II Timóteo, capítulo 3, versículos 2 ao 5.


Pastores-Evangélicos-


Destes afastasse


1 - O Senhor Deus, usando o Apóstolo Paulo, neste capítulo 3, exorta o povo aos acontecimentos futuros, ou seja, nos finais dos tempos o que haverá de acontecer.

2 - HOMENS AMANTES DE SI MESMOS: Significa que são pessoas que fazem tudo para agradar a si próprio, se auto-elogiam, honra e glória tomam de Deus para si.

3 - PESSOAS AVARENTAS: São pessoas que são excessivamente apegadas ao dinheiro, são mesquinhas, miseráveis, sãos as chamadas unhas-de-fome.

4 - PESSOAS PRESUNÇOSAS: São aquelas que procuram viver de aparências, vaidosas, orgulhosas, são pessoas convencidas em tudo que fazem, acreditam que até prova em contrário, estão corretos naquilo que dizem ou fazem.

5 -PESSOAS SOBERBAS: São pessoas ridiculamente vaidosas, excessivamente arrogantes, orgulhosa, se acham sublime, grandioso, magnífico, etc.

6 - PESSOAS PROFANAS: Sãos pessoas contrários às coisas de Deus, não tem o devido respeito para coisas Sagradas de Deus, sãos pessoas que querem desconsagrar o que por Deus é consagarado, violam princípios sagrados de Deus.

7- PESSOAS OBSTINADAS: São pessoas teimosas, birrentas, pessoas que gostam de continuar no erro, pregam erroneamente a Palavra do Senhor.

8 - AMIGOS DOS DELEITES DO QUE AMIGO DE DEUS: São pessoas que buscam viver as chamadas “delícias” da vida, prazeres mundanos, buscam o que acham agradável para sua vida, não importando de onde vem, querem ter prazer em tudo, buscam se deliciar em tudo que o mundo oferece, não buscam as coisas de Deus, ignoram tudo que Deus criou, se esquecem de Deus, o seu criador e não dão a mínima para o seu Salvador.

9 - APARÊNCIA DE SER PIEDOSOS: São pessoas falsas, são os enganadores, maldosos, negam o verdadeiro significado da palavra piedade.

Ao tornar a leitura da Bíblia um abito diário e pesquisar sobre os assuntos, você adquira uma armadura completa de Deus e com isso saberá identificar os falsos profetas e também saberá observar os sinais e profecias sendo cumpridas .


Continue lendo...

RELIGIÕES: Pastores dizem, Dar até o último centavo que Deus os abençoara, mentira dos Anti-Cristo!

Falsos profetas 550x300
Estes que estão na imagem acima e outros que não estão, exporão a fé dos que temem a Deus, para estes exploradores eu so Peço que Deus os repreenda-o
Ilustração: “PODEM me chamar de pedinchão. Eu não tenho vergonha disso; é para Jesus que peço.” Essas palavras reveladoras de um pastor protestante destacam a controvérsia que envolve o financiamento da religião. Parece que a religião organizada não consegue sobreviver sem grandes somas de dinheiro. Há salários a pagar, igrejas a construir e manter, além de campanhas de evangelização a ser financiadas. Como conseguir os fundos necessários?

Para muitas igrejas, a resposta é o dízimo.* “O dízimo é a maneira de Deus financiar seu Reino na Terra”, afirma o evangélico Norman Robertson. “É Seu sistema econômico que permite que o Evangelho seja pregado.” Sem se constranger de relembrar seus seguidores da responsabilidade de contribuir, ele declara enfaticamente: ‘Dar o dízimo não é algo que se faz porque se tem condições. É um ato de obediência. Deixar de dar o dízimo é uma clara violação dos mandamentos de Deus. É apropriação indébita.’ — Tithing—God’s Financial Plan(Dízimo — O Plano Financeiro de Deus).

Você provavelmente concorda que contribuir deve fazer parte da adoração cristã. Apesar disso, sente-se constrangido, até ofendido pelas insistentes solicitações de dinheiro? O teólogo brasileiro Inácio Strieder acusa as igrejas de recorrer ao dízimo para “resolver seus problemas institucionais” e diz que tais práticas são ‘ilegítimas, abusivas e uma aberração teológica’. Por causa disso, ‘desempregados, viúvas, favelados e pessoas sem consciência crítica se sentem desamparados por Deus e na obrigação de dar aos “pastores”, de forma descontrolada, o que lhes falta à mesa’.

Talvez se pergunte: ‘As igrejas que cobram o dízimo estão aplicando corretamente o que a Bíblia diz? Ou algumas religiões poderiam estar usando o temor a Deus para tosquiar o rebanho? Será que Deus realmente espera que ‘demos até o último centavo’, como alguns diriam?

GENIVAL, que mora numa favela no nordeste do Brasil, sustentava a esposa e os filhos com o baixo salário que ganhava trabalhando como segurança em um hospital. Apesar de suas dificuldades, ele pagava o dízimo religiosamente. “Às vezes, deixava minha família passar fome”, conta ele apertando o estômago, “mas eu queria dar a Deus o melhor, não importa o sacrifício que tivesse de fazer”.

Depois de perder o emprego, Genival continuou a pagar o dízimo. O pastor de sua igreja o incentivou a colocar Deus à prova fazendo um donativo alto. O pastor garantiu que Deus certamente lhe daria uma grande bênção. Por causa disso, ele decidiu vender a casa e dar o dinheiro à igreja.
Genival não é a única pessoa sincera a fazer donativos. Muitas pessoas que vivem na mais absoluta pobreza sentem-se obrigadas a pagar o dízimo porque suas igrejas ensinam que isso é uma exigência bíblica. Será que é verdade?
O dízimo e a Lei
O mandamento de dar o dízimo fazia parte da Lei que Deus transmitiu às doze tribos do Israel antigo há mais de 3.500 anos. Essa Lei decretava que se devia dar a décima parte dos produtos do campo, dos frutos das árvores e do aumento das manadas para a tribo de Levi, a fim de mantê-la no serviço do tabernáculo. — Levítico27:30, 32; Números 18:21, 24.

Deus garantiu aos israelitas que a Lei ‘não seria difícil demais para eles’. (Deuteronômio 30:11) Contanto que obedecessem fielmente aos mandamentos de Jeová, incluindo o de dar o dízimo, tinham sua palavra de que teriam safras excelentes. E, como medida de proteção, um dízimo anual adicional, normalmente consumido na ocasião em que a nação se reunia para suas festividades religiosas, era regularmente recolhido. Dessa maneira, ‘o residente forasteiro, o menino órfão de pai, e a viúva’, podiam ser satisfeitos. — Deuteronômio 14:28, 29; 28:1, 2, 11-14.

A Lei não especificava uma punição por se deixar de dar o dízimo, mas cada israelita estava sob forte obrigação moral de apoiar a adoração verdadeira dessa forma. De fato, Deus acusou os israelitas que negligenciavam o dízimo nos dias de Malaquias de ‘roubá-Lo nos dízimos e nas ofertas’. (Malaquias 3:8, Bíblia na Linguagem de Hoje) Será que se poderia levantar a mesma acusação contra os cristãos que não pagam o dízimo?

Analise o seguinte. As leis de uma nação normalmente não são válidas fora do seu território. Por exemplo, a lei que obriga os motoristas na Grã-Bretanha a dirigir no lado esquerdo da pista não se aplica aos motoristas na França. Da mesma maneira, a lei que estabelecia o pagamento do dízimo fazia parte de um acordo exclusivo entre Deus e a nação de Israel. (Êxodo 19:3-8; Salmo 147:19, 20) Apenas os israelitas estavam obrigados a cumprir aquela lei.

Além disso, embora seja verdade que Deus nunca muda, seus requisitos às vezes mudam. (Malaquias 3:6) A Bíblia declara categoricamente que a morte sacrificial de Jesus, em 33 EC, “apagou” ou “aboliu” a Lei e, conseqüentemente, o “mandamento de cobrar dízimos”.— Colossenses 2:13, 14; Efésios 2:13-15; Hebreus 7:5,18.


TAGs:

Continue lendo...

RELIGIÕES: Dezenas de cristãos foram crucificados no Egito (Registro)

Cristaos crucificados
A subida ao poder da Irmandade Muçulmana no Egito, após a chamada “Primavera Árabe” tem gerado muita especulação sobre os rumos desse inimigo histórico de Israel. O presidente Mohammed Morsi prometeu tratar igualmente aos membros de todas as religiões.
Mas órgãos de mídia do Oriente Médio confirmam que durante os recentes ataques, membros da Irmandade Muçulmana “crucificaram os opositores do presidente Morsi em árvores em frente ao palácio presidencial, enquanto outros foram espancados”.
Raymond Ibrahim, do Projeto de Investigação sobre o Terrorismo, disse que as crucificações são feitas pelo que a mídia árabe chama de “partidários”, “apoiadores” e “seguidores” da Irmandade Muçulmana, mas não necessariamente do governo atual.
As vítimas são todas as pessoas que, de alguma forma, contraria o novo governo, isso inclui muitos cristãos egípcios, esclarece Ibrahim.  A brutalidade é reservada para os cristãos, mas as crucificações são por causa de doutrina islâmica e são ensinadas pelo Alcorão, garante o especialista. Os detalhes das sobre as crucificações não foram divulgados, nem o número total de pessoas, embora sejam dezenas.
Clare Lopez, do Centro para Política de Segurança Americana, lembra que, para o Islã, a crucificação é um hadd [punição], estipulada pela Sura 5:33 do Alcorão, e, portanto, uma parte obrigatória da Shariah. “Essa tem sido uma punição tradicional dentro do Islã…  A Irmandade Muçulmana não tem a opção de não incluir a crucificação em seu código legal. É algo obrigatório para se cumprir a sharia. E claro, para chocar também, pode ter certeza”, esclarece Lopez.
Lopez dá um aviso aos cristãos do Egito, em especial a minoria copta. “Eles devem sair do Egito o mais rápido possível… para os que não conseguirem sair, esperem ver as coisas ficarem semelhantes ao que enfrentarem os judeus na Alemanha nos anos 1930″.
Pamela Geller , analista de Questões do Oriente Médio e Islamismo, concorda plenamente e também cita o Alcorão. “Os cristãos estão com sérios problemas, porque o Alcorão na Sura 9:29 ordena que os muçulmanos façam uma guerra contra eles e os subjuguem”, lembra.
A ONG International Christian Concern, liderada no Oriente Médio por Aidan Clay acredita que há uma relação entre esses recentes ataques contra os inimigos do regime e o ataque de extremistas a Israel através da fronteira do Sinai.
Esse incidente que envolveu guerrilheiros do Hamas resultou na demissão do Ministro da Defesa, o marechal Mohammed Tantawi e de outros líderes militares. A resposta do presidente Morsi incluiu um novo ministro simpatizante da Irmandade Muçulmana.  “É evidente que Morsi está rapidamente se tornando líder absoluto dos exércitos do Egito, o que significa que o controle do país estará nas mãos da Irmandade Muçulmana também”, disse Clay. Isso pode colocar em risco tanto a situação dos cristãos no Egito quanto a paz com Israel.
Fonte: Net

Arranjo: JTC
Continue lendo...

PODERÁ TAMBÉM GOSTAR

Mais Populares

Seguir por E-mail

 
Copyright © 2016 REVELANDO VERDADES OCULTAS • All Rights Reserved.
Template Design by ORIGINAIS OADM • Powered by Blogger
back to top